A ingnorância que astravanca o porgresso.

Resolvi iniciar com esse título, porque embora clichê entrega encaixado o conceito sobre o qual pretendo discorrer.

É que hoje, depois de tanto tempo experimentando, arrisco dizer que esse lance de redes sociais trouxe sim — se a gente olhar a coisa de uma forma global, variados benefícios à sociedade.

Mas nem tudo são flores, e é disso que trata o texto.

Se a gente der um zoom, dentre outras coisas, será fácil perceber que as redes sociais como um todo não só acentuaram antigos hábitos ruins, como acabaram por criar novos e adaptar outros ao meio.

E nesse momento gostaria de chamar a atenção para um deles: a ignorância social nas redes, um meio onde qualquer brisa pode se transformar rapidamente em furacão. Sem dó nem piedade.

Eu explico: é que tenho visto — e não é de hoje, montes e montes de manifestações inflamadas recaindo sobre artistas e outras personalidades que fazem uso da Lei Rouanet para viabilizar seus respectivos projetos culturais.

Tenho certeza que se em algum momento você ainda não viu alguma dessas em suas redes, provavelmente hoje uma delas pulará na sua frente. É só uma questão de tempo.

E o pior: se bobear, você indignado com a série de coisas que a situação política e econômica do país te submete dia a dia, ainda compartilhará uma dessas manifestações para engrossar o caldo, #quemnunca?

E assim, nesse caldo grosso, hoje todos os holofotes e metralhadoras giratórias estão voltadas para o caso Claudia Leitte, que teria enquadrado na referida lei um projeto para a produção de sua biografia onde, segundo a imprensa, será preciso investir R$356.000,00.

É muito dinheiro? Pode até ser. Ela realmente conseguiu o enquadramento do projeto? Não sei. Mas o que me chama maior atenção nessa história não é o projeto ter sido ou não aprovado e liberado pra captar os recursos, nem o custo final do mesmo, nem o fato de ser uma biografia de quem é.

Pra mim, o aspecto que tem maior destaque nesse contexto é ver as pessoas disparando pérolas raivosas das mais variadas, todas com um detalhe em comum: a desinformação.

Vejam alguns exemplos que catei Facebook:

Gente, pelamor, a Lei Rouanet não dá dinheiro a ninguém. Nem autonomamente, nem através do Ministério da Cultura.

Ou seja: o governo não está soltando dinheiro nenhum para a Claudia e também não soltou pra nenhum dos que fizeram ou ainda farão uso dela. Artistas ou não.

A Lei Rouanet é uma lei de incentivo à cultura, e como tal se limita à conceder benefícios fiscais (basicamente, abatimento de imposto de renda) aos mecenas e às empresas que se dispuserem a patrocinar algum projeto enquadrado nela.

Na prática, se o projeto da biografia da Claudia, como tantos outros, dentro dos critérios que a lei determina para que seja concedido o benefício, realmente tenha se tornado apto a captar recursos para a produção da obra, agora precisará encontrar quem patrocine para que ela se materialize.

Percebe? Quando se fala em captar lê-se captação de patrocínio. Em resumo: encontrar empresas ou pessoas dispostas a patrocinar o projeto.

Entendo a indignação das pessoas, mas independente disso, seja no caso da Lei Rouanet, seja em qualquer outra situação, é preciso que tenhamos cuidado com o que fazemos repercutir.

Compartilhar a desinformação descuidadamente, além de ser um atestado de ignorância é um desserviço à ordem e ao progresso social. E isso é ruim pra todo mundo, inclusive para quem compartilhou.

Enfim, por favor, não se melindre nem tome esse texto ou a mim como desafeto simplesmente porque você foi um dos que disseminou com indignação a notícia sobre a biografia da Claudia ou qualquer outro advento envolvendo a Lei Rouanet. Não escrevi esse texto para te ofender nem te criticar.

A intenção aqui é trazer informação para o meio onde há falta dela. É dividir conhecimento. E sempre que a gente faz isso acaba contribuindo para o crescimento dos que nos cercam, e assim sucessivamente.

Mas lembre-se: ignorar é humano e não faz de ninguém alguém menor por isso. A não ser que esse alguém insista em insistir no erro.

Captou?

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.