Bem-estar animal também é direito

Cláudio fazendo graça em frente à Benoit de São Sebastião do Caí. (Foto: Arquivo pessoal/Cássio Azolin)

Em março desse ano, foi aprovada a Lei 13.426, que prevê um controle de natalidade de cães e gatos através da esterilização. Ou seja, essa garante que o procedimento seja realizado em todo o território nacional por cirurgia ou outro procedimento que garanta eficiência, segurança e bem-estar ao animal. A castração é importante pois os animais se reproduzem em progressão geométrica, sendo assim, cachorros não castrados podem gerar cerca de 60 mil filhotes em apenas sete anos, enquanto os gatos podem alcançar o número de 420 mil descendentes no período.

Gráfico de reprodução animal em 10 anos. (Ilustração: SOS animais)

O programa de castração levará em conta o estudo das zonas com superpopulação ou quadro epidemiológico, além da quantidade de animais a serem esterilizados, por localidade. Terão prioridade também animais situados ou pertencentes a comunidades de baixa renda.

Unidades de controle de zoonoses que não conseguirem executar o programa de esterilização poderão atuar em parceria com entidades de proteção aos animais e clínicas veterinárias legalmente estabelecidas.

A ONG Vira Lata no Caí possui 80 cães para adoção. Todos castrados e vacinados. Paola Mello, a presidente da organização, declara que, atualmente, eles lutam muito para conseguir dinheiro para os procedimentos que garantem um bom lar para os cães. “Se essa lei entrar em vigor e funcionar, será perfeito. Esterilizar os animais garantiria uma vida melhor e diminuiria demais os animais de rua. É um solução maravilhosa”, destaca.

A Organização precisa fazer eventos, rifas e venda de produtos para poder manter 100% dos cachorros resgatados castrados. A sorte, como Paola mesma diz, são parcerias com veterinários que fazem a baixo custo qualquer tratamento necessário. Ela garante que essa é a realidade de muitas ONGs de proteção animal.

Cláudio, após o banho, visitando os padrinhos do Centro. (Foto: Arquivo pessoal/Greyci Zardo)

Esse é o Cláudio, cachorro comunitário do centro de São Sebastião do Caí. Seu nome foi escolhido por Eduarda, filha do gerente da Benoit, Cássio Azolin. O cão “ mais dócil e amigo que já se viu” apareceu vagando pelas ruas da cidade e Cássio, com pena do animal, levou-o para casa.

Acomodado e alimentado, foi hora de levar Cláudio ao veterinário, lá recebeu as vacinas para vermes e pavo virose. Teve tratamento para um abcesso no focinho e ficou pronto para voltar para a casa de Cássio, mas por pouco tempo. O instinto de liberdade do cachorro falou mais alto e ele fugiu. Algumas vezes, ele aparecia de noite na casa de Cássio e este acolhia novamente o animal. O animal ficava, comia, descansava e no dia seguinte ia embora novamente. “O Cláudio por várias vezes foi acomodado em minha casa, mas sempre dava um jeito de escapar, e como eu trabalhava no centro da cidade, hora ou outra esbarrava com Cláudio por lá” comenta Cássio, a respeito da rotina do cachorro.

Apesar dos hábitos andarilhos do cachorro, há duas moradas fixas de Cláudio. Uma casinha ao lado da loja Benoit, parafusada no chão. E uma ao lado da loja Lebes, que por não ser presa no chão, foi roubada, porém devolvida após forte campanha nas redes sociais. O centro da cidade é o lar do cão. Taxistas e lojistas cuidam dele, cada dia um leva comida e água. Em caso de urgência ou acidentes, eles racham a conta do veterinário.

Há todo um sistema de banhos semanais entre os “padrinhos” do cão. Começou por Greyci Zardo, gerente da Loja Espaço Exclusivo. A dinâmica é simples: em cada semana, um dos padrinhos leva o Cláudio para uma limpeza. Seja ela caseira ou na petshop, fica a critério do padrinho da vez. Mas a preocupação maior é com a castração. Seus padrinhos não conseguiram incluí-la no orçamento ainda.

Segundo a veterinária Cassandra Koch, que cuida de Cláudio desde a primeira experiência com Cássio, a castração em cães, principalmente machos, ajuda a combater fugas, evita brigas com outros machos, diminui a agressividade e a marcação de território, além de ser efetiva para o controle de natalidade.

Embora Cláudio tenha cuidados especiais e seja muito querido e amado por seus cuidadores, nem todos os animais de rua tem essa sorte. Segundo a Organização Mundial da Saúde(OMS), Brasil tem 30 milhões de animais vivendo nas ruas, sendo apenas 10% castrados. Portanto, agora que a Lei foi aprovada, resta torcer que seja cumprida e mude a realidade dos animais do Brasil.


Originally published at medium.com on September 27, 2017.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.