(EZLN) O Mundo Capitalista é uma Fazenda Amuralhada [Excerto]

[…]
Quer dizer que o capitalismo vai transformar o mundo em uma fazenda, o patrão, o que quer governar, a que quer governar, se é que vamos permitir. E nossa pergunta aqui, dos, das zapatistas: por que eles — ou seja, os capitalistas — , por que eles mudam o jeito de fazer a exploração? Por que nós não mudamos o jeito de lutar para nos salvar?
Por isso eu disse o que nossos bisavôs fizeram, onde viemos os indígenas. Nos disseram isso, de que então falharam quando disseram que “fulano de tal nos dirigiu”. Mas não desanimaram. Buscaram uma forma de seguir lutando para sair de onde está o patrão, e disseram: “ninguém nos dirigiu”, “todos somos nós”.
Então, por que nós agora? Porque o capitalismo agora faz sofrer já não só nós, os que somos indígenas aqui no mundo. Estamos sofrendo, agora sim, os do campo e da cidade. Ou seja, indígenas e não-indígenas. Então, o que vamos fazer?
Aqui nós, as, os zapatistas que vivemos assim, na merda do capitalismo! Que ainda estamos lutando, que continuamos lutando e vamos continuar lutando… Pequenos como estamos, mas estamos mostrando então — como nos ensinaram os bisavôs — que sim, há como. Estamos com nossa pequenina liberdade. Falta libertarmos o México. Mas dizemos que, bom, então, como vamos libertar o mundo?
Mas aqui, neste pedacinho de mundo, em Chiapas, têm sua liberdade os companheiros e as companheiras para o que se queira fazer. Têm nas suas mãos tudo o que significa ser autônomo, independente.
Mas, como vamos fazer? O que vamos fazer? Porque agora vemos isso que estamos dizendo que o mundo vai converter-se, o capitalismo quer torná-lo sua fazenda.
Então, aí pensem, aí reflitam, aí analisem. Vejam onde vivem, onde estão, se não estão aí na merda do capitalismo e o que fazer com isso aí. Porque isso é o que está fazendo o capitalismo agora.
[…]

Trecho final traduzido do texto: “El mundo capitalista es una finca amurallada”, palavras do Subcomandante Insurgente Moisés, no primeiro dia do seminário de reflexão crítica: “Los muros del capital, las grietas de la izquierda”, ocorrido entre 12 e 15 de abril de 2017, em CIDECI-UniTierra, San Cristóbal de la Casas, Chiapas, México.
Fonte: http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2017/04/12/palabras-del-subcomandante-insurgente-moises-miercoles-12-de-abril-de-2017/

¡La capucha nos iguala en la lucha!

¡Arriba l@s que luchan!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.