Para somar à última escrita minha aqui, exponho um arranjo de letras condensadas em música por Rita Lee:

“No espelho não é eu, sou mim.

Não conheço mim, mas sei quem é eu, sei sim.

Eu é cara-metade, mim sou inteira.

Quando mim nasceu, eu chorou, chorou.

Eu e mim se dividem numa só certeza.

Alguém dentro de mim é mais eu do que eu mesma.

Eu amo mim

Mim ama eu”