Grade curricular da História SOÇA

A parada é de longo prazo.

Quando eu estudava no ABEL no início dos anos ‘90, lembro que a 7ª série começou com a Pré-História. Eu tinha de decorar uns quadros com hábitos de povos mesopotâmicos e pré-cambrianos e nãoseioquelanianos. Depois gregos e romanos. Já ali, informaram que isso não cairia no Vestibular. 
Daí 8ª série foi para a Idade Média até a 2ª Guerra (talvez tenha tido algo depois, mas aí já tinha passado de ano e foda-se).

Lá no Pré-Vestibular (3º ano), foram pragmáticos e não repassaram Antiguidade porque não caia no Vestibular. Acho que nem Idade Média caia, ia da Moderna em diante, não me lembro direito, mas Antiguidade estava fora com certeza.

Olhem a prova do ENEM e vejam o peso de cada coisa. É aquilo ali que vai pautar todo o ensino CRISTÓVÃOBUARQUEANO.

Mas… a parada faz sentido.

Dentro da religião SOÇA, faz sentido mudar o ponto ZERO da História para a Revolução Industrial uma vez que o Marxismo só faz sentido a partir dela. Claro que a História para os SOÇAS então deixa de começar no advento da escrita e passar a ser inaugurada com a Revolução Francesa.

Marx é o Jesus deles que mudou tudo o que se pensava reformulando a parada toda e depois os profetas Lenin, Trotsky, Gramsci, Paulo Freire e etcetera vão espalhando a palavra do Senhor.