Socorro La La Land.

Tava sem nada o que fazer com o Rafael no domingo, e decidimos sair para ir no cinema (só pra termos um domingo diferente daqueles vendo série), e comer uma super pipoca com manteiga (amo).

Beleza.

Fomos ver La La Land, todo mundo falou sobre esse filme e de como era lindo, então resolvemos esse. Tudo começa com aquela super musica sobre o verão com um monte de gente que depois não aparece no filme, mas ok, superei.

Onde eu quero chegar escrevendo aqui, é que algumas coisas dali me fizeram pensar muito na vida.

Primeiro: o quanto os dois tem um sonho e lutam por ele. 
Eu nunca tive um sonho definido como meta de vida pra alcançar, tipo ter um bar de jazz, e as vezes isso me incomoda e também incomoda os outros porque acham que eu não tenho uma meta, um objetivo onde quero chegar. E de verdade, mesmo, não tenho, não porque não consigo sonhar com nada, mas porque não me achei totalmente então meio que não sei o que esperar e nem desejar, e sim, fiquei com inveja do casal no filme porque eles sim tinham um objetivo.

Segundo: escolhas. 
O final me fez levantar uma questão pra mim mesma que eu tenho muito medo. As minhas escolhas. Como eu vou saber que fiz a certa? 
No final do filme(ATENÇAO, SPOILER), mostra a vida em duas visões diferentes, uma com a Mia junto de Sebastian e sendo feliz da vida, a atriz famosa com família que acompanha o marido em bares de jazz porque é a paixão em comum deles, a outra, mostra Mia casada e famosa mas com um cara x que conheceu em Paris, visitando o bar que supostamente era de Sebastian, e os dois acabam separados. 
Fiquei nervosa. E se eu escolher a comida errada pra comer agora as 22:26 e isso mudar o curso da minha vida? Como se houvesse duas alternativas e o final delas não fosse o mesmo destino.

Terceiro: como o amor muda. 
Sebastian era um carrasco que só tinha olhos para o jazz, e Mia super insegura trabalhando na Warner mas no café. No fim, o apoio um do outro em seus sonhos fizeram com que Sebastian amasse e visse a luz no fim do túnel(e também saísse daquela banda de jazz/pop), e fez com que Mia fosse aquela que comprasse café e não a que vendia. 
Apoio mútuo é importante, e faz você se desenvolver, correr riscos, o amor é bom e sempre foi.

Eu poderia elogiar muito o filme, sério. Puta filme e puta idéia. Direção de arte nem vou entrar no mérito, mas queria discutir mesmo algumas coisas que ecoaram na minha mente durante o filme.

(e eu também tenho trabalho da faculdade pra fazer né galere.)

City of stars, are u shining just for me ?

Like what you read? Give Victoria Buzatto a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.