Eu tenho rinite.

Você deve estar pensando agora: e daí? Eu entendo você. Milhares de pessoas tem rinite, e agora eu só me enquadro nessa porcentagem. O problema é que fui comprar os remédios da rinite e um já me era familiar. É o remédio que ele usava. O remédio que tantas vezes eu comprei com ele. Que eu o lembrei de espirrar no nariz. Eu tinha me esquecido desse remédio, até descobrir que tinha rinite.

Muita gente não entende como que eu posso sentir alguma coisa por alguém que deixou explícito que não me quer mais. Que disse com todas as letras existentes no alfabeto que não me ama mais. Que seguiu com a vida dele como se os dois anos que passamos juntos não tivessem sido nada. Eu também não entendo. Não entendo porque eu lembro de todos os remédios que ele usou, de todas as frases que ele me disse, e de todas as músicas que escutamos juntos.

Amar alguém nem sempre é lindo. Às vezes amar alguém dói no fundo da alma. Mas mesmo assim a gente ama. Eu ainda o amo. Fazia tempo que eu não dizia isso. Mas não tem como fugir dele. Não tem como fugir de mim. A verdade é que eu ainda não resolvi o que tem para resolver dentro de mim. Eu ainda amo um cara que não liga pra mim. E tudo bem. Às vezes eu ainda choro, e vejo filmes românticos pensando que poderia ter sido nós, mas não foi.

E apesar disso tudo eu sei que uma hora isso vai passar. Você vai passar. Talvez o amor não vá embora. Talvez eu sempre guarde você com carinho (e ódio) dentro de mim. Mas uma hora a dor passa, a saudade passa e a vida continua. Daqui a pouco o remédio da rinite vai deixar de me lembrar você.

Daqui a pouco vai ser só mais um remédio qualquer que eu tomo, assim como você vai ser só mais um cara que não ficou.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.