The last one.

Esses dias me perguntaram como que é. A pessoa só perguntou isso "como que é?" e eu sabia que ela estava me perguntando sobre você. Eu não respondi na hora, eu nem sabia o que responder. Como que é não saber mais de você? Não ver mais sua familia? Não almoçar com vocês no domingo? Eu não tinha como explicar como que é. Às vezes acredito que ainda não tenho.

Mas ontem li um livro que me lembrou de tudo o que eu senti e, muitas vezes, ainda sinto. E hoje acho que sei a resposta para aquela pergunta: É como se você tivesse morrido só para mim. Não falo isso porque sinto que você morreu, falo isso porque o homem que eu conheci morreu. Essa sua nova persona eu nunca vi, nem ouvi, muito menos conheci. Quem você era morreu. O homem que me fazia rir que nem criança, que tentava dormir de conchinha, que babava no travesseiro morreu. Desapareceu. E você virou o você de agora. E eu não quero nada com o você de agora. Então é como se você tivesse morrido, e eu estou vivendo um luto por alguém que está vivo. Entende? Não? Tudo bem. Eu, muitas vezes, não me entendo também.

Você, infelizmente, está em todos os lugares que eu vou. Ainda ontem fui ver um vídeo meu com a minha afilhada e lá estava você, falando com meu tio sobre alguma coisa aleatória. Eu nem lembrava mais da sua voz. Eu não lembrava mais do seu rosto. Achei que fosse chorar, mas não chorei. Achei que ia doer mas não doeu. Eu sinto muito a sua falta, mas já não gostaria que estivéssemos juntos.

Hoje, se alguém me perguntar como que é eu posso dizer que é horrível. Tem sido horrível há muito tempo. Parece que você morreu e continuou vivendo. Continuou saindo. Continuou namorando. E eu parei. Eu parei no dia em que você abriu a porta do meu carro e foi embora. Eu parei enquanto eu imaginava que você iria voltar, e você não voltou. Eu parei todos esses dias. Muita coisa foi feita no automático. Eu bebi litros para te esquecer. Eu beijei muitos para te esquecer. Eu chorei muito também. Mas nada disso funcionou.

Não teve um dia sequer que eu não pensei em você. Eu acho que não teve um dia sequer que eu não te amei de alguma forma, e depois te odiei por ter ido embora. Esse é meu último texto sobre você. Não há mais nada para se dizer. Você foi embora e eu parei. Acho que agora está na minha hora de continuar. Não dá mais para ficar de luto. Eu ainda te amo, e por incrível que pareça não me dói mais dizer isso. Você morreu pra mim e eu ainda te amo. Eu fiquei de luto por ti durante meses e meses enquanto te via vivendo sua vida por aí. Hoje eu não te reconheço mais. Nem quero conhecer.

Algum dia alguém vai chegar. Se ninguém chegar tudo bem também. Eu não vou deixar de te amar, acho que meu amor por ti era aquele amor que só se lê em livros, só se vê em filmes. Eu te amo mas não te quero de volta. Acho que não faz sentido eu fingir que você não foi nada, porque você foi quase tudo. Então é isso. Tem sido horrível, mas dias melhores virão.

Espero, do fundo do coração, que a gente seja feliz. Porque eu mereço (e você também).

Like what you read? Give Victoria Escobar a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.