Legalização da maconha no Uruguai

Estudo mostra que a medida não aumentou o consumo da droga no País

O Uruguai é o primeiro e único País no mundo a assumir o controle total da cadeia de produção da maconha. A lei foi aprovada em dezembro de 2013 e, no dia 6 de maio de 2014, o presidente José Mujica assinou um decreto autorizando o Estado a controlar o cultivo e a venda da droga. A partir disso, os uruguaios inscritos na lista oficial de consumidores podem comprar no máximo dez gramas por semana de maconha. O regulamento também prevê três formas de acesso legal à droga: plantação para consumo próprio, em que cada residência pode ter até seis plantas ou produção de no máximo 480 gramas por mês; clubes de consumo, que podem ter de 15 a 45 sócios, cultivando até 99 plantas; ou a compra da droga produzida pela iniciativa privada, a um preço de cerca de um dólar — pouco mais de dois reais por grama. O usuário só pode se cadastrar em uma dessas alternativas.

A norma derrubou a proibição da produção e do comércio, mas faz 40 anos que é permitido usar a droga no País. Os dados de uma pesquisa realizada, entre agosto e dezembro de 2014, pelo Conselho Nacional de Drogas (JND) revelam que mesmo com a regulamentação da droga, o número de usuários aumentou em pequena proporção comparada ao crescimento de anos anteriores, quando a maconha ainda não era legalizada. O levantamento sugere que 9,3% da população usou maconha no último ano, em comparação a 8,3% em 2011, o menor aumento contabilizado em 14 anos. O estudo observa que os maiores saltos no consumo ocorreram entre 2001 e 2006, quando a porcentagem aumentou de 1,4% para 5,5%. Essa foi a primeira vez que o levantamento considerou as orientações relativas à produção e venda da droga e a amostra representa quase 60% da população uruguaia.

Esse é mais um traço de um país pioneiro em mudanças de costumes na América Latina, onde o divorcio é permitido desde 1907, o aborto foi aprovado em 2012 e, em 2013, entrou em vigor lei do casamento entre homossexuais. No entanto, a medida além de levantar divergências e dividir opiniões no Uruguai, também atinge o Brasil e causa preocupação no Rio Grande do Sul. A lei permite que apenas pessoas de nacionalidade uruguaia ou com residência permanente no país se registrem para comprar o entorpecente legalmente. Mesmo assim, cidades como o Chuí, que estão a menos de dois quilômetros do Uruguai, podem servir como canal para o contrabando da droga, agora que o acesso foi facilitado.

Porém, a regulamentação da maconha também se tornou realidade em alguns países. No Colorado e em Washington, nos Estados Unidos, por exemplo, o modelo de legislação admite o cultivo pessoal para fins recreativos. Já no Canadá e em Israel os programas são legais para o cultivo de maconha medicinal, mas não para o uso recreativo. A Espanha tem os clubes sociais de maconha e na Holanda existem os históricos coffee shops, lojas que vendem drogas. Em Portugal, desde 2001, ninguém pode ser preso por usar drogas e até o início de 2013, era possível comprar drogas alucinógenas em mais de 40 lojas do país.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.