Lembra quando eu dizia tudo que tu queria escutar
Quando o amor era forte e novo e importante
Lembra das noites em claro
Das cartas em branco
Lembra quando eu dizia o que ninguém dizia
Com um sorriso encantador
E as palavras certas 
Eu conquistava o que outros tentaram em vão
Lembra dos sonhos de criança
E de quando foram quebrados pela realidade
O frio do aço e do concreto
A poluição dos carros
Esmagou a imagem perfeita
Que tínhamos de nossa utopia
Lembra quando era mais fácil
Sonhar do que saber
E ver era só um detalhe que não tornava algo real
O saber e o crer eram um só
Lembra quando Deuses, Diabos e Seres fantásticos
Eram desenhos em livros velhos
E mesmo assim o medo era real
Agora o medo é implantado
Fabricado por eles e impulsionado pela rede social
E tudo que eu queria era voltar
A ter medo de desenhos em livros velhos
Lembrar do que esqueci
Quando deixei de me importar com palavras certas
Com sorrisos encantadores, com sonhos infantis e
com o amor que é infinito até acabar