Leitura de indícios

Às vezes quando estamos conversando sobre qualquer assunto, um silêncio impera — mas não é um silêncio incômodo, só natural. Eu me pego te encarando e então estou sorrindo. É inevitável, eu penso em te beijar.

A sua boca praticamente me chama, e, secretamente, eu fico me segurando com muito esforço porque me lembro bem de como é sentir o toque dos nossos lábios sedentos um pelo outro.

E sinto saudades.

O seu olhar me parece hipnotizante, convidativo assim como o seu cheiro, que me toma de um jeito que só eu sei — e que não quero que outros saibam.

Eu sinto que é o sinal verde que preciso.

Mas eu sei a verdade.

E a verdade é que você não me quer mais. Então eu engato uma outra conversa e continuamos sem parar por mais horas a fio até que o ciclo se repita.

De novo e de novo…

Like what you read? Give Victor Neves a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.