Eu queria ter um texto pra você

Eu gostaria de ter um texto pra você. Eu queria ter um texto dizendo tudo que me dá vontade de dizer quando te vejo andando por ai.

Dizer como o tempo congela por alguns segundos, junto comigo, para observar você e seus cabelos, curtos e belos, saltitando pelo ar. 
A sensação que emana dentro de mim quando você deixa escapar um sorrisinho, enquanto me olha.
A tranquilidade que você consegue me passar enquanto, deitada em meu colo, me explica seus planos e idéias, com sua linha de pensamento única e espontânea.

O jeito como você me pega de surpresa, nos seus surtos, despretensiosos, de afeto.

Um verso explicando o quão meus pensamentos acabam se perdendo na sua imagem, por alguns momentos do dia, de uma forma tão boba.

Passa muita coisa na minha cabeça quando te vejo. É eu dar as costas e meu coração, junto com meu cérebro, entram em curto:

— “Será que falo com ela?”
 — “Não! Melhor depois!”
— “Mas eu quero falar com ela… Ouvir ela falar do Carnaval, das festas, dos amigos, de como se ela consegue se atrapalhar nas próprias finanças, com toda a convicção de uma criança numa loja de brinquedos”
 — “Mas, será que é boa hora?”
 — “Não sei, mas vamos? Por favor!”
— “Ok então… Vamos!”

Eu queria poder lhe falar isso tudo, da melhor maneira que sei, que é escrevendo.

Porém, assim que meus dedos encostam numa folha, ou na superfície das teclas do meu teclado, minhas mãos travam. Meu cérebro nega em imediato os comandos que me são passados pelo meu íntimo.
Não por falta de inspiração, mas por receio.

É muito pra tão pouco, não é?
É, eu sei.

Não era pra ser isso tudo mesmo, mas faz tempo que alguém não me arrebate, de uma forma tão sublime como você, aposto que sem querer, acabou fazendo.

Assusta, não é?
Dá um frio na barriga de não saber o que fazer, de não saber lidar, mas de querer tá perto.

Pode não parecer, mas eu estou bem perdido à essa altura.

Mas não se engane, se você não se importar, gostaria de continuar perdido mais um pouco.
Quero me perder mais um pouco no aconchego dos teus braços, me desconcertar só mais um bocado em tuas carícias e me enamorar pelo seu sorriso tão meigo.

Por fim, gostaria que essa conversa de botas batidas não chegasse até você. No entanto, caso isso aconteça, não se engane novamente, esse texto não é pra você.

Afinal, como eu falei, eu não tenho um texto para você. Tenho só esse punhado de frases e palavras clichés, que juntas, tentam transcrever mensagens de um rapaz bobo e atrapalhado.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Victor Quedinho’s story.