The Bots are coming…

Segundo dia, mais por dentro da dinâmica das palestras, comecei com o pé esquerdo. Errei a sala! Caí no painel errado, mas no fim deu certo. A parte boa foi que esse painel também estava dentro dos que eu tinha favoritado no mesmo horário, menos mal. Comecei o segundo dia com “Melhor Práticas com Bots”, com a Laura Newron (Kik) e Omar Siddiqui (Sequel).

Bots, mais especificamente Chat Bots, são programas que simulam — ou desenvolvem — uma interação na conversação com os seres humanos. Um exemplo fácil de assimilar, sem entrar muito em detalhes, são os assistentes virtuais de alguns sites que pipocam na sua tela: “Oi! Sou a Vivi! Posso ajudar você?” (Vivo). A ideia é que esse Bot simule um atendente e te ajude com as suas dúvidas. O foco do painel era dar uma abordagem além do serviço de ajuda ao consumidor, e mostrar como integrar essa tecnologia ao dia-a-dia das pessoas por meio do entretenimento, e-commerce, games e relações sociais.

Confesso que tenho meus receios, ainda sou bem cético quanto a esse tipo de estratégia no mundo do marketing. Tenho a impressão de ser um movimento muito invasivo. Conversas são muito pessoais. Será que saber que do “outro lado” é uma máquina falando com você, realmente pode ter um efeito positivo? Difícil, mas completamente compreensível. Se a gente parar pra pensar, é um movimento natural, já que boa parte do nosso tempo é gasto em aplicativos de mensagens. Segundo a Kik (dado da apresentação do painel), mais de 2/3 dos usuários de smartphones nos EUA não baixaram apps no último mês. Ao mesmo tempo que isso acontece, a quantidade de horas que eles gastam no celular por dia aumentou. Ou seja, usamos por mais tempo o que já temos em mãos.

Faz total sentido pensar em melhorar e possibilitar novas interações entre marcas com as pessoas em apps de troca de mensagem. Quantas vezes você abre seu celular pra trocar mensagens com amigos e familiares? Muitas né? Então, pensando como marca/serviço, pra atingir e engajar com você da melhor maneira, porque não fazer parte dessa conversa? O aplicativo já está lá, você o baixou e não precisa de mais nada para ser atingido por alguma ação dentro do app. E se a ação for bem feita, a profundidade da relação da marca com o usuário pode ser gigante, como em uma longa conversa com um grande amigo. Tá aí, isso sim pode ser uma realidade.

O painel destacou alguns pontos interessantes sobre as melhores práticas na hora de se pensar em desenvolver um Bot. Entre elas: Construa Conversas, Comece pelo Simples, Conheça sua Audiência e Seja Social. Todas com o objetivo de não causar tanta estranheza na relação entre homem e “máquina”, deixando a experiência o mais natural e objetiva possível. A gente ainda vai escutar muito sobre ChatBots e interações entre homem e máquina além do serviço ao consumidor, abordando o fornecimento de conteúdo direcionado, informações e atualizações diversas, participação em grupos de conversa e muito mais funcionalidades. Desdobramentos disso são as ferramentas de inteligência artificial como Alexa, Google Home, Siri e outras que ja estão pipocando no mercado, mas que usam outras plataformas para a interação com o ser humano. Essa comparação pode facilitar a associação com o que os Bots são e serão capazes de fazer.

Terminou o painel com uma visão geral sobre o cenário atual dos Bots além de alguns cases e iniciativas foram mostrados rapidamente como: ICON 8 (Selfie), J-14 Trivia Bot (Distribuição de Conteúdo), Murder Mystery: Role Play (Foco no entretenimento) e alguns cases do Facebook e CNN que valem uma pesquisa e texto a parte pra falar mais sobre as primeiras impressões e experiência com esse tipo de interação. Quando questionados sobre o custo e a monetização dos Bots, Laura e Ommar abriram o jogo. Hoje é possível criar seu próprio Bot em diversas plataformas — como a própria Sequel — sem custo. Tudo ainda é muito novo e novos modelos estão surgindo todo dia. A preocupação agora é encontrar as melhores experiências para a partir delas definir um modelo de monetização mais claro, mas ja conseguimos imaginar que publicidade, e-commerce e monetização com estratégias de conteúdo direcionado terão grande importância para a viabilidade dos Bots. Vamos ficar de olho!

Essa foi só o primeiro painel do dia. Ainda teve Realidade Virtual e Realidade Aumentada em Storytelling com NatGeo, Humana e Honda falando sobre as dificuldades e desafios da implementação desse tipo de recurso no dia-a-dia das pessoas. Teve também Casey Neistat e um papo ANIMAL com o Joshua Topolsky, um dos fundadores do The Verge apenas, mas é muita coisa pra esse texto e cada tema desses vale um texto diferente. Então vai ter mais texto sim!

PS1: Estou subindo fotos e vídeos nas redes sociais também, tentando mostrar alguns detalhes e outros pontos de vista dentro do festival. Se quiser ver mais segue ai:
Twitter: https://twitter.com/victorromariz
Instagram: https://www.instagram.com/victorromariz/

PS2: O Omelete está fazendo uma cobertura completa do SXSW 2017, com vídeos e posts diários, junto com a Motorola. Acompanha por aqui: 
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCaSAM5kna2KyX-uVLSGr8PQ
Instagram: https://www.instagram.com/omelete/
Twitter: https://twitter.com/omelete

PS3: Vendi.
PS4: Muito caro, quero não! Haha

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Victor Romariz’s story.