Por menos falar difícil e mais falar fácil

Como designers, nosso papel é tornar toda e qualquer informação acessível e de fácil compreensão. Temos que permitir que qualquer conteúdo seja entendível e qualquer produto usável pelo maior número possível de pessoas.

Trabalhamos com produtos digitais, mídia impressa, produtos industriais, experiências do usuário, serviços e por aí vai. Somos facilitadores de processos, de conversas e de interações. Ou seja, a batata tá na nossa mão pra tornar as coisas mais fáceis.

E na hora de falar?

Desenvolvemos uma espécie de vício de linguagem. E isso não é exclusivo da nossa área. O fato é que todo mundo adora falar difícil pra parecer inteligente, com nomenclaturas rebuscadas, siglas malucas e palavras “inglesadas”.

Adoramos falar de softwares e usar algumas siglas malucas. E tudo isso que a gente tenta facilitar que eu citei aí em cima, a gente faz, mas com nomes rebuscados. Algumas vezes precisamos de livros inteiros para que um método ou processo simples seja entendível.

Onde é que a gente errou?

Provavelmente vem da nossa experiência como ser humano. Estudamos muito, aprendemos nossa linguagem e a história dela com grande profundidade. E enquanto crescemos, acabou sendo natural enxergarmos aqueles que falam a língua dita culta como pessoas mais sábias.

Mas será que falar de forma culta é um pré-requisito social para ganhar credibilidade? Duvido você não dar um mínimo de crédito para quem fala difícil, ein? Essa gente e o seu vocabulário vasto conseguem articular as palavras como ninguém. Mas aí eu te pergunto:

O seu público te entende? Ou melhor: as pessoas te entendem?

Pensando no nosso mundo globalizado, uma mensagem não é exclusiva para um público. Tudo bem, seu foco pode ser um nicho específico, mas será que outras pessoas não acabarão, também, dando de cara com o que você tá dizendo?

Eu diria que sim. Pensa no tempo que uma frase qualquer leva pra ir até o outro lado do mundo e na quantidade de gente que falou besteira e até hoje tem um registrozinho disso no YouTube ou no Twitter.

Imagina só você falando com alguém. Daí, essa pessoa vê algo curioso no que você diz e repassa a informação. E de pessoa em pessoa a mensagem viaja. Sabe a brincadeira do telefone sem fio? Quanto mais complicado for o que você falou, mais interferências esse discurso vai sofrer.

A gente precisa ver isso aí…

Lembra que eu disse que não era algo exclusivo do nosso mercado? Pois é…

Advogados, médicos, políticos, profissionais de marketing, administradores e a quem mais interessar. Já tentaram falar de forma fácil? Não usar palavras rebuscadas? Não usar termos técnicos e, se necessário, explicá-los com uma dose de didatismo? Já experimentaram adaptar seu discurso para que todo mundo, todo mundo mesmo, consiga entender?

Isso é empatia: colocar-se no lugar do outro, até na hora de falar. Saber da dificuldade e do nível de compreensão e facilitar o diálogo.

Seja entendível, conciso, converse de igual para igual. As pessoas devem se compreender melhor. A convivência pessoal e a profissional deve ser mais fácil. Falar fácil para falar melhor.

Vamos bater um papo "fácil"?

Achou o texto bacana? Não achou? Quer bater um papo sobre? Fique à vontade pra me mandar um e-mail ou me adicionar nas redes:

Email: victor.rosato@outlook.com

Linkedin

Dribbble

Portfolio

Product Designer @ Mercado Livre — https://victorrosato.com/

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store