Dói. Dói como um arranhão no arame da cerca. Incomoda como uma pedra no seu sapato após um dia inteiro de caminhada. Mas ué, ninguém disse que não iria doer, ninguém disse que seria fácil. E vem cá, vai passar. Confia em mim, pessoa que já passou por tantos amores, por tantas noites que pareciam ser as últimas e acredite, o sol nasceu de novo, e de novo, e de novo. E num desses novos dias, passou. Eu nem vi, mas foi embora como pássaro aflito após ser solto de uma gaiola, foi-se. Mas ficou, ficaram as coisas boas, e as lembranças, essas nunca se vão. Mas a dor sim, é passageira. Você vai viver outros amores, muitos outros .. Mais dores, várias dessas e muito, mas muito sofrimento. A vida é longa (espero que sim) e por ela ainda vão passar pessoas para te ensinar tantas outras coisas que não vão caber no teu diário de cabeceira. Mas aí é que vem a parte boa: chorar e sofrer por amor nunca matou ninguém e só nos faz mais fortes. O que difere a forma de enfrentar isso, somos nós. Há pessoas que querem sentir a dor, há pessoas que tentam passar por cima dela e ignorar, e há pessoas que querem aprender com ela. Depois de tanto tentar atropelar os maus momentos, vi que não adianta e que eu estava mentindo pra mim mesma, então aprendi que devo sentir e aprender com essas situações. Mas cuidado: sentir não quer dizer se entregar, não devemos passar semanas na cama só porque outro ser escolheu caminho diferente do nosso, temos nossos ofícios, amigos, família e vidas. Cada qual com a sua, e devemos seguir. Não devemos, jamais, perder tempo. Aproveitar cada oportunidade que tenha ao mínimo 1% de chance de nos fazer feliz. Porque amigos, tristeza passa, mas tempo não volta. Para que haja aprendizado, sem arrependimento, devemos olhar pra dentro, chorar quando necessário mas procurar sempre sorrir, como primeira das opções da nossa caixa de sentimentos. E acredite, vai passar.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Vitória Amaral’s story.