Escolha o mais difícil. Sempre.

Porque seguir pelo caminho mais difícil te fará melhor

Hoje pela manhã deixei minha esposa grávida de 8 meses dormindo enquanto me preparava para sair de casa. É um momento da gravidez em que sinto que minha participação nas tarefas domésticas é essencial para aliviá-la de todo o incômodo causado pela gravidez. Não é natural para mim assumir todas estas tarefas, mas sempre que possível tento fazer algo que possa tirar dela algum esforço.

Após o café da manhã, deixei uma xícara e alguns talheres na pia da cozinha. Não era uma grande quantidade de louça, logo, imaginei que ela pudesse dar conta e lavá-las. Esta era a decisão fácil.

Todos os dias lidamos com momentos de decisão, seja no trabalho, na vida pessoal, nos esportes, na saúde. A decisão intuitiva será sempre pelo de menor esforço, a que evita o conflito ou seja mais cômoda. O que não percebemos é que escolhendo a decisão fácil, estamos deixando de evoluir não só a nós mesmos, mas ao outro.

Tomando como exemplo o mundo corporativo, temos claros e fartos exemplos de momentos em que a decisão fácil é tomada. Se um colega falha na execução de sua atividade, é mais fácil aceitar e deixar que ele resolva por si só, ou mesmo que aceite as consequências que chamá-lo para um feedback de que o caminho seguido não é o mais adequado.

O mesmo podemos dizer quanto temos uma notícia ruim para dar a um cliente. Um atraso, um problema na qualidade do serviço prestado, cobrar uma pendência. O mais fácil será sempre esperar que o tempo passe e que ele se lembre de cobrar, caso ele cobre. Se não cobrar, fica por isso mesmo. Sobre uma pendência por parte dele, é mais fácil entender que ele conhece as consequências que alertá-lo sobre os possíveis impactos.

Decisões difíceis te fazem evoluir. Te ajudam a resolver. Te ajudam a enfrentar de frente o problema ou desafio, e ouvir da outra pessoa o que ela pensa. É a chance de errar, ouvir e aprender. O debate em termos das consequências do que está sendo falado exercita a empatia, nos coloca no lugar do outro. Ao mesmo tempo, traz a capacidade de se tornar adaptativo e criativo. Opções terão que ser abordadas, e com isso se trabalha sobre um conceito da negociação denominado ganha-ganha.

A discussão pode ser dura. Pessoas tem perfis e características diferentes, e isso as fará aceitarem de uma forma diferente o que está em jogo. Mas uma certeza existe: Se há um problema, o quanto antes ele for comunicado, mais tempo se tem para consertá-lo. Mesmo que doa. Há sempre o benefício da transparência, controle, parceria.

Se há um problema, o quanto antes ele for comunicado, mais tempo se tem para consertá-lo. Mesmo que doa.

De maneira geral, o ponto chave é captar a decisão. Parar de agir no automático e entender que durante o dia estamos de frente a inúmeras decisões, e que em algumas delas teremos a dura missão de pegar o caminho mais difícil.

A decisão difícil fará com que você enfrente o medo e apreensão. É uma representação do seu corpo sobre a condição de saída da zona de conforto. Uma situação atípica frente à sua forma de se relacionar, de lidar com situações adversas ou corriqueiras e mesmo discernir entre certo e errado. Colocar a decisão difícil em foco é trabalhar o cérebro de uma forma em que ele não está habituado, tornando-o mais ativo e preparado para enfrentar situações semelhantes no futuro.

A primeira decisão difícil a se tomar é aceitar que esta mudança na forma de agir é algo que trará uma mudança profunda, fazendo de você uma pessoa mais capaz de enfrentar problemas e também mais capaz de demonstrar empatia no relacionamento com outras pessoas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.