giz

certo dia, ao ser questionada sobre quais eram os planos pro final de semana, ana, sem pensar duas vezes disse que ia passar na papelaria mais próxima e comprar várias caixinhas de giz de cera.
giz de cera? sim, ela me disse que funcionava como terapia, passava horas e horas ali derretendo todo o giz sobre as extremidades das garrafas.
garrafas essas de bons momentos — apesar dela não lembrar a ocasião em qual ela teria bebido a que estava em mãos—mas não perdia sua relevância por causa disso.
em pouco mais de dois anos de amizade, não sei muito sobre ela, mas de certeza posso afirmar que é uma pessoa acumulativa, assim como eu, e são nesses todos pequenos detalhes que nos damos tão bem...
spoiler alerta sobre a vida: não tem rascunho, muda, e muda com ela quem está disposto a se adaptar. olhe ao seu redor, as pessoas que estão ao seu lado hoje são as mesmas que você esperava?
ana, aquela mulher da correria, mãe de três filhos, do rock n roll, atrasada, elegante, inteligente e sensata, ainda tem tempo de recitar poemas e criar metáforas: além de garrafas, quadros e canecas manchadas.
derrete, remolda e cria: do jeito que ela quer. generaliza os sentimentos, troca cada um por uma cor de giz e faça como ela. como quiser.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated everybodyssin’s story.