scars

queimei a mão quando fui tirar a pizza do forno há uns dias atrás. não foi nada grave, e, para falar a verdade, nem tinha sentindo na hora. só percebi no dia seguinte. hoje, já tá ficando feio, coçando. tá na fase da cicatrização, casquinha. queria escrever sobre isso, vim pensando a caminho da casa da minha mãe. criar um paradoxo. porque eu sei que é preciso se queimar, e é preciso esperar a cicatrização. e é preciso esquecer, porque assim fica mais fácil. eu sei que mesmo com o todo incômodo momentâneo, vai passar e deixar deixar só uma marca. uma marquinha para te lembrar de ser mais cauteloso dá próxima vez, ou então, para te lembrar de usar uma luva, toalha de prato. são essas marcas que me tornam quem sou hoje em dia. é de cada marca que tirei as experiências que tenho. cada lição, um aprendizado. estou cansado de evitar riscos por medo, e não vejo a hora de me fraturar de novo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.