Voa
Há beira dos céus?
Voa atento
Como pode não,
morrer ao vento?
O pássaro
de pouco alento
Uma pintura!
O quadro que o céu atura…
Era talento!
Acalanto
aos olhos que ou(viram)
partir ao sol…
Enquanto 
o redemoinho
se fez momento
no horizonte
vento e luz
nuvens
vermelho e azul
a luz era o raio
do sol
que
queimava o céu até
a noite
aos poucos e no seu tempo
tão belo
tão lento
QUE ATÉ…
pareceu-me
ter escolha…