Iterações!

Durante um processo criativo é comum que façamos várias versões de um mesmo conceito. Tudo se inicia com um esboço, e a partir deste conceito inicial tomamos decisões difusas e distintas.

Criamos, rabiscamos, nos inspiramos, tentamos coisas diferentes, mudamos o estilo, não damos a mínima para a métrica e além. Na próxima etapa, geralmente a execução, surge uma fase criativa tão poderosa quanto a anterior de cunho livre. Uma potente etapa de ajustes finos e correções ópticas que constroem solidez e sobriedade para os desígnios do criador e de seus alvos.

O início, o rabisco, a primeira versão, a segunda versão, a versão recomposta, a folha amassada, os rabiscos, a versão final, a versão final_1, a versão final_2; tudo e todos estes conceitos importam e são parte vital do resultado alcançado. Todas essas são iterações, partes de um resultado que é maior que a soma de todas as partes.

Eu conheço alguns profissionais da área criativa, e é realmente difícil encontrar algum que não goste de renovar as suas ideias e seus escopos. Às vezes há um estorvo em começar as mudanças e aceitar que seu trabalho concebido inicialmente era precário. Mas a evolução do conceito e a comparação com os intentos iniciais se dá de forma muito absoluta para todos, quase sempre. Seja com a refação de um texto, de um desenho, de uma ilustração, de música ou de demais formas de representação criativa.

É claro, às vezes encontramos alguns clientes difíceis, que atrapalham e estagnam todo o processo de criação. A falta de um feedback sólido e construtivo (ou apenas de uma resposta) nos faz perder a intensidade e a vontade na execução do trabalho. Por isso, acredito que a comunicação é a ferramenta mais importante de qualquer cooperação humana.

Não basta apenas não se contentar e proferir semânticas rasas. Em uma crítica, é preciso construir significado e entendimento. É entender que se comunicar também é um exercício; tão nobre quanto qualquer outra tarefa inventiva, e que se evolui mais com a prática do que com a teoria. Não basta pensar turbilhões dentro da cabeça e soltar interjeições pífias. Para atingir progresso, o esforço é sempre necessário. E a edificação de sentido se dá principalmente pela persistência em aperfeiçoar, e não apenas por ações estritamente empáticas.

Então, de qualquer lado que você esteja em uma cooperação, esteja sempre atento na forma que você se expressa para a outra parte. A empatia é imprescindível em qualquer relação humana, mas se comunicar é transmitir significado. Você não viu quantos rascunhos escrevi até alcançar a impavidez para publicar esta peça que você lê. O que vai valer, entretanto, é a peça final.

Aliás, se você chegou até aqui, muito obrigado! Não há nada mais prazeroso pra mim do que convergir sentido para outros seres.