não me leve a mal (12/2016)

não me leve a mal

se meu olho cego te esconde

dos meus atos falhos

se esse alicerce me consola

da cabeça aos pés

em dias de choro, em dias

mortos

que ao me engolir

me observam sem cuidado

próspero a vida

no meu próprio tempo


hoje,

escondo a ferida

prezo a despedida

sinto

como ninguém

o peso de uma medida

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.