de nada

Você sabe o que a arara-azul, o cervo do Pantanal, o macaco-aranha e o obrigado tem em comum? Estão em extinção. Pois é, meu amigo, o obrigado está a um passo de se tornar uma palavra desconhecida por falta de uso. Ninguém mais agradece ninguém e está tudo certo. Ou não.

Olha só.

Semana passada eu fui tomar café na padaria na esquina do meu prédio. Na hora de sair, afastei um pouco para deixar a passagem livre para uma senhora entrar rápido. Estava chovendo e não queria que ela estragasse a sua chapinha. Ela? Entrou correndo, claro, e quieta, pisando duro e nem um obrigado balbuciou. Nem um sorrisinho deu. Nem um mero levantar de sobrancelha recebi.

Outro dia, veja, na garagem, esperei a senhora do 53 fechar o seu carro para entrarmos juntos no elevador. Ela? Veio correndo, meio afoita. Parecia estar com pressa. Entrou e perguntou se eu estava viajando porque não me vi há semanas. Desci antes, no segundo andar — já meio sem paciência pra tamanha intimidade –, e ela levantou a mão e disse um tchau meio tímido. Trocaria o tchau por um obrigado, mas beleza.

Hoje mesmo eu estava voltando do almoço e parei na faixa de pedestre para uma menina atravessar. Fiz sinal com a mão dois metros antes de chegar à faixa. Ela foi atravessando e olhando para a minha cara dentro do carro, ansiosa por um levantar de braços que fosse. Nada. A menina seguiu ouvindo música.

Sabe, eu fico um tanto quanto frustrado em não poder dizer de nada pra os outros. E mais frustrado ainda por não entender porque uma simples palavra não é dita para alguém que fez uma gentileza. A propósito, ando até aceitando obrigado de mulher e obrigada de homem. Tanto faz. O que vale é a intenção. A gramática — que me perdoem os professores de português — fica em segundo plano neste caso.

Dizer obrigado não faz cair a língua nem o braço, viu?! — apesar de que a língua e o braço dos mal educados deveriam cair. Tem mais, falar obrigado também não vai fazer ninguém chegar atrasado a nenhum compromisso. É rápido e de graça, indolor, curto e fino. A esperança de um mundo melhor passa pelo obrigado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.