A falta de autotranscendência e o espírito burguês nos relacionamentos modernos .

Todos já passaram por essa história , e o roteiro nunca muda: Você conhece uma pessoa , ela gosta dos mesmos livros, dos mesmos filmes , das mesmas músicas , vocês passam o dia inteiro se falando nas redes sociais, pois amam conversar um com o outro, até que vocês começam a sair , se beijam e etc e de uma hora pra outra aquele ser humano que mais parecia um anjo em pleno século XXI, que parecia que tinha um pênis ou uma buceta de diamantes se esvai, começa a se esquivar, você manda mensagem pra ela e nenhum sinal de vida no momento , até que 1 semana depois a pessoa monossilabicamente te responde.

Chegando aqui a tortura psicológica já está consolidada , perguntas são feitas à consciência da vítima em vão. Caos mental, melancolia, pessimismo, uma sensação de fadiga toma conta do estado físico e mental do sujeito … enfim , coisas provocadas por um amor não correspondido ou pelas futilidades materialistas da sociedade burguesa que só um Dostoiévski ou um Tolstói conseguiriam documentar com tamanha grandeza e maestria que lhes são dignas.

Tudo que vivemos hoje é uma criação da modernidade ? Ou será que existe uma tal natureza humana , que seja má ? Será que promiscuidade, depressão , individualismo, uso de drogas e etc já existiam em outras sociedades e civilizações ? Perguntas que infelizmente caro leitor , esse escriba não tem condições de respondê-las. Mas de uma coisa eu sei : eu nunca vi uma civilização que se vangloria dos seus fracassos. Infelizmente , vivemos em uma sociedade que glorifica os nossos mais baixos instintos simplesmente por serem naturais e mutila , psicológicamente e socialmente , o que nos resta de virtude . Mas isso talvez tenha uma explicação , e tentei buscá-las fazendo um diálogo entre Viktor Frankl e Plínio Salgado .

Viktor Frankl em seu texto “ Amor, sexo e transcendência… “ explica que a falta de amor e por consequência a promiscuidade, o uso de drogas e etc é causado pela falta de sentido de autotranscendência . Para Frankl , autotranscendência seria o ser humano transcender a si próprio e se dedicar unilateralmente a uma pessoa ou a uma causa(seja ela política, de caridade e etc). A falta desse sentido , para o autor, seria a causa de todas os males da sociedade moderna, causaria na vítima uma “ busca pela felicidade” em vão , pois a felicidade deve ser natural e deve ser consequência da vivência de um sentido pra existência.

Já Plínio Salgado em “Espírito da burguesia” dialogando com Frankl rastreia essa falta de sentido da vida na psicologia da sociedade burguesa, ou seja “… pela preocupação exclusiva pelos bens materiais, que devendo constituir um meio pelo qual a criatura humana deve atingir os seus fins verdadeiros, tornam-se um “fim” em si mesmo com exclusão de toda finalidade superior. É a transmutação dos cinco sentidos, que são também meios de domínio e de compreensão do mundo exterior facultados ao ser humano e instrumentos de comunicação e de experiência de que dispõe o homem para formar juízos exatos e determinar os limites e as formas de suas ações na vida social, em “fins” exclusivos de todas as manifestações e realizações do ser” .

Nesse sentido , juntando os dois autores , a causa para a falta de amor e altruísmo nos relacionamentos modernos e, por consequência também , para a promiscuidade e depressão tão característicos e idolatrados pela modernidade seria a falta de um sentido para a vida , de encontrar uma pessoa para amar , e essa falta de uma pessoa amada ou de um sentido pra existência seria causada pelo espírito burguês, e que por ser espírito pode se difundir para todas as classes sociais, que é materialista , individualista e hipervaloriza os sentidos e instintos em detrimento de fins mais superiores e suprasensíveis , que estimula tudo aquilo que extrapola os limites da moral social e religiosa em nome , é claro, da liberdade individual.

Portanto, caro leitor, não estranhem se vocês verem artistas, políticos e pessoas públicas de um modo geral exaltarem esses sintomas(e digo sintomas porque é constitutivo de uma doença). E as vozes dessas pessoas reverberam em seus fãs e que por sua vez acabam personificando aqueles arquétipos que todos nós vemos andando nas ruas , pessoas vazias que fazem coisas vazias , somente um bando de caixotes de ossos adornados por roupas da moda .

Bibliografia:

Espírito da burguesia- Plínio Salgado

http://aumagic.blogspot.com.br/2014/05/amorsexo-e-transcendencia-por-que.html- Viktor Frankl

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.