O sucesso de It — a coisa

No começo do mês de setembro, o filme It — a coisa, baseado no livro homônimo de Stephen King, chegou aos cinemas e foi um sucesso de bilheteria. O filme que custou estimados 35 milhões de dólares faturou 230 milhões e com isso superou O Exorcista de 1973, o dono da maior bilheteria de um filme de terror da história do cinema até então. Nessa semana, a Warner já confirmou a continuação do filme. It 2 está previsto para setembro de 2019.

Quando um filme de terror se torna um sucesso de bilheteria, ou seja, financeiramente rentável como foi It, é bom ficar antenado. Esse pode ser um sinal de mudança nos filmes do gênero que vão pipocar nas telas do cinema.

No final da década de 1970, por exemplo, o sucesso de Halloween de John Carpenter chamou a atenção dos estúdios por sua extrema rentabilidade. O filme que custou meros 300.000 dólares, arrecadou 47 milhões segundo o site IMDB. Essa bilheteria mostrou aos estúdios que os assassinos em série podiam fazer tanto sucesso quanto as entidades demoníacas de O exorcista, A profecia, Horror em Amityville e a custos bem mais baratos.

Os slasher movies, como os filmes ao estilo Halloween ficaram conhecidos, vão se tornar a grande aposta do terror dos grandes e pequenos estúdios ao longo da década de 1980. Sexta-feira 13, A hora do pesadelo, Acampamento sinistro, O trem do terror, A morte convida para dançar, são só alguns exemplos entre vários.

Ao final dos anos 80, os slasher movies não rendiam mais como no início da década, apesar das tentativas de dar um novo fôlego para eles seja produzindo novos filmes do tipo, seja produzindo sequências para os grandes sucessos. Em meados da década de 1990, Pânico de Wes Craven consegue dar um novo gás, mas claro, ele nem se compara com o início dos anos 80. Pânico foi, afinal, um sucesso sobre a ruína do gênero; a fórmula se desgastou tanto que não dava mais para leva-la tão a sério. O filme mostrou que em 1996 o slasher podia assustar, mas sob a condição de rir dele mesmo.

No início do século, os slasher movies ao estilo halloween perderam o prestígio, mas ganharam um representante forte em 2004 com Jogos Mortais. O filme entrou na disputa pelo público contra os fantasmas de O Chamado e O Grito e depois, em 2007, contra os monstros que não podemos ver do found foutage Atividade Paranormal.

Em 2010, o fôlego de Jogos Mortais chega ao fim e a Paramount dá uma nova chance para Atividade Paranormal com Atividade Paranormal 2, que se saiu muito bem de bilheteria, assim como a entidade demoníaca de Sobrenatural lançado no mesmo ano. Em 2012, o time das entidades demoníacas ganha mais um forte aliado com A entidade e em 2013 um outro mais forte ainda com o sucesso de A invocação do mal. E desde então são essas entidades que dominam o terror nas salas dos cinemas comerciais.

Será que o palhaço Pennywise de It vai abrir agora uma nova era para o terror comercial? Veremos mais palhaços assassinos nos grandes cinemas?

Há exceções para o sucesso de bilheteria?

Em 1999, A Bruxa de Blair se tornou o filme mais rentável da história do cinema, mas não produziu uma onda de filmes found foutage nos anos seguintes.

Ok, mas um found foutage é um tipo de narrativa cinematográfica e não um tipo de monstro. Qual é o monstro de A Bruxa de Blair? É o tipo de monstro que não podemos ver. O filme assusta sugerindo haver uma bruxa na floresta com gritos e sussurros na escuridão e pessoas desaparecidas ao amanhecer, tudo potencializado pelo grau de verdade que o estilo found foutage traz. Mas mesmo esse monstro não produziu herdeiros na época.

Acho que foi difícil imaginar que um filme desse estilo pudesse render continuações. A fórmula logo perderia sua credibilidade se vários começassem a pipocar nas telas do cinema. A Bruxa de Blair 2 de 2000, por exemplo, não foi gravado como um found foutage.

O estilo só voltou a fazer sucesso em 2007 com Atividade Paranormal desbancando o recorde de rentabilidade de A Bruxa de Blair. E o formato se mostrou eficaz mesmo com monstros corporificados quando a Paramount lançou Cloverfield em 2008. Foi aí que o estúdio resolveu apostar no estilo e comprou os direitos de Atividade Paranormal para produzir uma série de continuações que começaram a pipocar a partir de 2010.

Mas os found foutages mesmo convocando vários tipos de monstros ainda não conseguiram desbancar o sucesso dos filmes de entidades demoníacas em narrativa clássica. Já se fala até mesmo do universo de Invocação do Mal. Será que o sucesso do palhaço em It vai conseguir mexer com as estruturas desse universo?

Não sei ainda… Apesar do sucesso de bilheteria dizer “sim”, acho que é preciso pensar com mais cuidado antes de responder. Parece que há exceções para a regra… E, além disso, dentro do terror, onde It — a coisa se encaixa? Seria um slasher? Seria um filme de entidade demoníaca? Vamos pensar!