Checklist para fechamento de arquivo: o que você precisa conferir?

Todo designer sabe que criar um projeto de design é uma tarefa grandiosa e que demanda muito esforço para resultar em um produto de referência. No entanto, fechar a arte para a gráfica é um processo por si só, repleto de nuances e técnicas.

Saiba como criar uma checklist de fechamento de arquivo concisa e técnica e garantir um job finalizado com qualidade!

Evitando cortes na arte

Máquinas gráficas produzem e refilam impressos em escala industrial, e por mais precisas que sejam, pequenos erros sempre podem acontecer. Para evitar que sua arte perca algumas partes vitais durante o processo de corte, certifique-se de inserir a sangria e a margem de segurança.

A sangria é todo elemento que ultrapassa a margem do documento, dando um espaço para que pequenos erros não deixem áreas falhadas no impresso. Já a margem de segurança é uma margem interna, geralmente usada para textos, com o mesmo objetivo da sangria. A medida recomendada para as duas é de 3mm.

Cuidados com a resolução

A resolução das imagens é outra área de grande impacto no resultado final. Cuide para que suas imagens e outros elementos sempre tenham no mínimo 300dpi (pontos por polegada) de resolução. O tamanho e intenção do impresso podem aumentar essa exigência: outdoors e fotografias são um exemplo.

Evitando efeitos pixelizados

Aplicações de efeitos especiais, como transparências e sombreados, devem sempre ser convertidas para bitmaps antes do fechamento, evitando a perda de qualidade, com pixelizações e desfoques, além de reduzir sensivelmente o tamanho e tempo de renderização da imagem.

Acertando as cores no fechamento de arquivo

Existem vários padrões de cores utilizados no meio do design, mas para impressões o único aceito é o CMYK. Certifique-se de que todas as imagens de referência e arquivos utilizados estão nesse padrão: a diferença entre sistemas de cor pode causar uma baixa fidelidade cromática.

O mesmo vale para cores Pantone: tenha sempre a referência física em mãos para garantir que a cor saia fiel ao projetado!

Tratando o preto corretamente

O tom preto causa dores de cabeça a designers constantemente, mas você pode evitar problemas seguindo uma regra básica: para áreas pequenas ou de elementos textuais, utilize apenas preto (K 100%).

Já nas áreas de maior tamanho, como fundos, opte por “calçar” o preto, isto é, imprimi-lo junto com pequenas porcentagens das outras cores (em torno de 20% de cada), impedindo que a impressão saia com um aspecto claro demais.

Anexe todos os arquivos

O computador da gráfica pode não reconhecer uma fonte diferente utilizada em sua arte e substituí-la por outra tipografia. Para evitar isso, certifique-se de converter todos os elementos do arquivo em curvas e enviar as fontes e imagens utilizadas juntamente com o arquivo fechado.

No post de hoje, vimos dicas práticas para montar uma checklist e organizar o fechamento de arquivo de forma eficiente, evitando problemas de compatibilidade, impressões sem fidelidade e clientes insatisfeitos. Seguindo esses passos, fechar seus arquivos será tarefa fácil e com garantia de bons trabalhos!

Gostou do texto? Veja também 3 dicas de revestimentos gráficos para enobrecer seus impressos!