Ponte Aérea Seattle-Ceará

O que o Raimundo Fagner tem em comum com o Temple of The Dog? Também não tinha ideia até a semana passada.
Por algum motivo obscuro, acredito que de responsabilidade da opção random, as músicas desses artistas, separados por um continente de distância, seguiram em sequência no meu computador.
Até então sem nenhum problema, o random do player que eu utilizo provoca sequências estranhas. Numa sequência de 10 músicas é bem possível escutar rock, lambada, fado ou dance dos anos 90.
Naquele dia em especial, essa opção aleatória colocou Jura Secreta do Fagner e Times of Trouble do Temple of The Dog quase em comunhão.
Geograficamente, estilisticamente e linguisticamente são diferentes, porém dois trechos são de fortíssimas semelhanças quanto ao sentimento, apesar das intenções diferentes. 
Em Jura Secreta, o intérprete cearense usa um dos versos mais bonitos da língua portuguesa em minha opinião:

“Só uma palavra me devora
aquela que meu coração não diz”

Na canção grunge, os versos dizem algo neste sentido, com uma sensibilidade parecida:

“When you try to talk
And the words get hard
And they put you down”

(Quando você tenta falar
E as palavras não saem
E elas te deixam mal)

É como se fosse uma ponte aérea Seattle-Ceará. Um encontro poético em algum plano, uma jam session entre o grunge e a música popular brasileira.
Pode ser apenas uma coincidência na combinação do Winamp (sou oldschool, gosto do Winamp) ou uma aproximação numérica proposital do programa, bem ao estilo do Eu, Robô do Asimov.
Com toda evolução da tecnologia, a segunda explicação me parece mais plausível.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.