Ideia e insight.

Sabe aqueles textos clichês, não grande coisa, que começam a partir de um bloqueio criativo? Esse provavelmente é um deles.

Eu fico sempre à espera de um insight. Isso é normal pra mim, principalmente em um curso de faculdade onde a criatividade é superestimada. A gente até aprende a diferença de um insight e de uma ideia (sim, tem diferença).

O insight é uma coisa brilhante e maravilhosa, que vem com aquele estalo de lâmpada acendendo. Até aí, parecido com a imagem que quase todos têm de uma ideia. A diferença é que um insight é mais do que isso. A lâmpada é forte e ilumina tudo. É uma superideia genial que gera outras várias mini ideias geniais. E uma ideia… é só uma ideia, isolada, luz fraquinha, nada demais.

Eu fico sempre à espera de um insight, e não é só na faculdade. Tem que ser algo brilhante pra falar, ou então é melhor não falar nada. Tem que ser uma coisa superlegal pra fazer, ou então é melhor nem sair de casa. Os textos vêm em dias específicos onde surge a vontade de escrever, e aí eu faço um atrás do outro, depois de um insight. Passo dias sem escrever nada, à espera do próximo pico. Ultimamente eu não tenho tido nenhum.

Foi então que comecei a perceber que nada estava inspirando insight nenhum, e decidi que não vou ficar à espera de mais nada. Por que menosprezar as ideias? Parei pra pensar e vi que a cabeça vazia pode gerar várias mini ideias. Vou tentar juntar todas elas pra equivaler à um insight. Se não der, pelo menos eu vou ter várias ideias isoladas, e dane-se. Nem tudo precisa ser grande coisa.