Pra Luiza

Saudade. Existe sentimento mais urgente que esse?
Saudade da risada. Do cheiro. Dos olhos. Das mãos. Da voz. Dos conselhos. Do abraço. Ah, o abraço… E como dói. É como sentir fome de algo que não existe. É uma ausência presente. E muito presente… É como estar no mar se afogando e querer chegar até a superfície e respirar, mas não conseguir. É como estar preso em uma gaiola. Sufocante. Urgente.
A certeza de que aqueles braços nunca mais vão te abraçar dói. E que todos aqueles planos feitos não vão se concretizar também. Mas afinal, como definir esse sentimento? Saudade. Não é à toa que essa palavra só existe na língua portuguesa. ‘’Sentimento de mágoa e nostalgia, causado pela ausência, desaparecimento, distância ou privação de pessoas, épocas, lugares ou coisas a que se esteve afetiva e ditosamente ligado e que se desejaria voltar a ter presentes’’
E depois, o que sobra? O que conforta nosso coração? Lembranças. Lembranças de um tempo e um alguém que não voltam mais. Com o passar dos dias (meses e anos), a ferida deixada pela ida dessa pessoa vai melhorando. E aquilo, que antes doía e machucava de uma forma absurda, vai aos poucos cicatrizando. Essa cicatriz vai estar sempre lá, no seu corpo — porque é impossível e não se deve esquecer -, mas a dor vai ser amenizada. Eu prometo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.