Sobre casa-coração

Tentar diminuir quem você é, o seu coração ou o que você sente só pra tentar caber dentro de um outro coração é loucura. É como tentar olhar diretamente para o sol; como usar um sapato ou uma roupa apertada; como tentar prender a respiração por bastante tempo. 
Você até consegue aguentar a situação por um tempo, mas chega um ponto em que aquilo não faz mais sentido. 
É como se o coração do outro fosse uma casa. Você entra nela, decora, coloca flores, móveis, e tenta a todo custo ficar confortável ali. Mas não cabe. Não tem espaço. Aquela casa é pequena demais pra você e pra todos os objetos que você quer ali colocar. É como se doar por inteiro para alguém que tem apenas metade de si pra dar. Você tenta caber ali, naquela casinha apertada, mas uma hora percebe que não é lá que você pertence. Você tenta se livrar dos seus móveis e das suas coisas antigas só pra se ajustar naquele pequeno espaço, e mesmo assim, dá errado. Dá errado porque seu lugar não é esse; e sim uma grande casa, onde você pode decorar do jeito que quiser.
E esse é o maior erro do ser humano. Tentar ser menor pra caber no outro. Diminuir a sua bagagem só pra ter lugar na bagagem do outro.
Você vai ter achado a casa perfeita quando entrar nela e perceber que há espaço pra você e pra toda a sua mobília, sem tirar nem pôr. Essa é a casa perfeita.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.