Prazer, a Menina.

A menina que queria fazer e ser tudo, mas fazia e era nada. A menina que lutava contra a hipocrisia, mas se deu conta da vida hipócrita que lhe pertencia. A menina que estudava uma coisa, mas a odiava. A menina que dizia “só se arrepende quem não faz, porque não fez”, mas sempre se arrependia de coisas que fez. A menina que não entendia o que acontecia, o que sentia e o que incomodava a sua cabeça, mas que, um dia, descobriu como aliviar a imensa tensão que essa dúvida aflorava em sua mente: a menina resolvera escrever.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.