Abre teu peito e liberta.

Hoje foi um dia tão reflexivo para mim, que sinto que não há nem mais corpo, só pássaros querendo sair para fora. Eu queria tanto poder olhar para você, e dizer tudo que eu tenho para dizer, mas não vai ser assim, não vai ser agora. Eu tô presa no quarto escuro mas não para morrer, para renascer, tem tanto barulho aqui dentro, esses pássaros querem rasgar o meu peito, e voar, e se libertar.

Você é o meu amor, e eu te amo tanto. Mas esse amor que te ofereci, ele é doentio, ele te sufocou, te fez ficar dentro de um aquário, sufocando sem ter para onde ir. Esse amor que eu tanto cobrava de você, eu nunca iria ter, nunca vou ter. Porque o seu amor por mim, ele é livre, é libertador, é luz que contagia, ele se entrega mas também me solta, me deixa tão livre que eu nem penso em não voltar, porque é tão bom caminhar e saber que tá tudo bem, que é esse amor que me acalma, e fortalece a alma.

Eu te culpei tanto nos últimos dias, embarquei em uma grande mentira, mentindo para eu mesma, sempre a pior mentira. O meu amor tava cego, doente, surdo, mudo,e burro, ele te ofereceu algemas ao invés de flor, te ofereceu prisão ao invés de liberdade. Onde eu estava com a cabeça? Depois de tanto pensar cheguei à conclusão que, o seu amor é vivo e o meu precisa renascer.

Mas deixa eu ir rasgando meu peito, libertando meus pássaros, uma hora estarei pronta para sair do quarto escuro.

Há uma luz lá fora, por que é que vejo seu nome? Por que ainda vejo que chama? Aonde está você agora? Será que ainda espera lá fora?
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Vitória Constance’s story.