E quando chega à noite.

Hoje senti um misto de sentimentos, raiva dor, fui ao inferno e voltei diversas vezes, só para ter certeza que ainda estava queimando. Hoje passei o dia remoendo muitas coisas, a maioria delas ruins, mas quando chega à noite tudo isso se torna em vão. Porque aí eu deito nessa cama e começo a lembrar de você, começo a lembrar do seu cabelo, da sua impaciência quando acordava esperando eu acordar também, do jeito com que gostava que eu te abraçasse por trás, e do seu sorriso. Eu já morri um pouco mais só de escrever isso.

Estava procurando meu cartão agora pouco, algo tão simples se tornou tão doloroso, caiu todas as suas cartas no chão, uma a uma, cada palavra, até a caneca em forma de lente, e a pasta cheia de textos da sua vida toda. Eu sentei e chorei, chorei sobre o chão porque não me aguento em pé. Fico pensando o que você está fazendo agora, se está pensando em mim, se está bem, se anda comendo direito, se anda se divertindo, se anda sorrindo com outras pessoas, se está feliz. E principalmente se sente minha falta como eu sinto a sua.

Mas deixa assim, é mais uma noite vazia sem você, de muitas que estão por vir. Não sei se aguentarei.

Eu tô ficando com a sensação que eu fui a pista e você o avião…

Like what you read? Give Vitória Constance a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.