(En) cantos

de muitos en (cantos) e axés…
um canto é entoado
 frente ao Elevador Lacerda, 
respira fundo e inicia. 
chapéu ao lado, no chão e 
a voz soando leve, breve. 
as moedas caem no mesmo ritmo… 
junto ao canto, um sorriso de en (canto).
meta cumprida! 
logo mais é chamado ao canto, 
com encanto, vai. 
“ você não pode ganhar a vida aqui, este lugar é espaço público! ”
 em meio a tantos questionamentos, preferiu cantar 
 para ver se, de fato, os males se espantam… 
 dessa vez, o mal presente era ele mesmo. 
o exército se aproxima, 
pega-o pelo braço e leva-o 
ao en (canto) da Bahia, 
para sentir na pele o seu axé. 
no canto é posto, 
voz embargada. Se cala. 
um canto rasgado é entoado dentro do peito. 
 palavras são ditas de forma asquerosa. 
preto no canto e gemidos silenciosos. 
o “ espaço público” agora é outro.
batem no seu corpo público
na sua dignidade pública 
no seu canto público. 
dias se passaram,
corpo dolorido, voz amarga. 
o direito a proteção
vem em forma de agressão. 
vive na rua 
no en (canto) da Bahia 
e sente na pele o seu axé 
axé amargo. 
indignado, se pergunta 
em terra de encanto, 
preto no canto 
não pode nem cantar?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.