Desculpe-me

Trilha sonora sugerida aqui

Villa de Leyva — Boyacá — Colombia

Desculpe-me. Sim, essa é — oficialmente — a primeira palavra que dirijo ao Brasil desde que pisei em solo colombiano. Um paradoxal pedido de perdão, humilde e ao mesmo tempo soberbo, pelo simples fato de demorar 30 longos dias para colocar no papel tudo que minha cabeça tem pensado em espanhol no último mês.

Obviamente, a alta do dólar, a má fase do Cruzeiro e os protestos nas ruas do Brasil não são consequências da falta de notícias sobre meu período em Bogotá. Mas, convenhamos, há uma dúzia de três ou quatro que certamente se interessa sobre minha trajetória ‘cafetera’. Então, estou aqui para ajudá-los :)

A demora a escrever não se deve à falta de tempo ou pouca inspiração. Tempo é o que mais tive nos últimos trinta dias (e aqui vale o alerta: não interprete que esse período foi pacato e tedioso) e inspiração tenho de sobra nas ‘calles y carreras’ de Bogotá, nas montanhas de Villa de Leyva ou nas curvas da estrada para Medellín.

Tive a liberdade de tomar esse tempo para acalmar o turbilhão de informações em minha cabeça. Cultura, política, língua, finanças, música, burocracias, língua de novo… Já citei finanças? Morar fora é um choque — mesmo numa cultura tão parecida com a brasileira. Requer dose extra de paciência para entender, interpretar e reagir aos acontecimentos triviais do dia a dia. E sim, eu sei que vocês sabem disso.

Ademais, escrever não é fácil. Vai muito além de sentar numa cadeira, abrir o Word e divagar sobre as teclas. É preciso encontrar o momento certo (na madrugada, claro), beber três ou quatro latas de Poker (saudades Brahma!) e criar com destreza uma playlist recheada de Arctic Monkeys (perdón, Rafa). Melhor ainda quando essas três coisas são feitas em perfeita sintonia.

Pois aqui estou! Não em uma noite de terça excepcionalmente chuvosa, tampouco com os casacos empilhados no canto do quarto (arrumei a bagunça hoje mais cedo), mas in the right place and time.

Prometo que a partir dos próximos dias, até o fim dessa jornada colombiana que ainda não em fim previsto, escreverei com frequência. E já aviso: é pouco provável que o dólar abaixe, os protestos acabem e (principalmente) o Cruzeiro volte ‘a las buenas’. Mas, ao menos, parte da minha cabeça vai ficar guardada em uma página com @algumacoisa e vocês poderão entender um pouco mais sobre o que tenho chamado de #vivacolombia.

PS: sigam @danielh0tt no Instagram e no Snap. Tem muita coisa por lá :)