Aos 83 anos, ela tem mais disposição que muitas meninas!

Conheça a história inspiradora desta mulher que encara a vida com energia e determinação!

Maria Requena Parejo tem 83 anos, e muito, muito bem vividos. Nascida em Bauru (SP), e criada na cidade de Três Lagoas (MT), ela lembra da infância com nostalgia, e um enorme carinho por seu pai. “Ele trabalhava colocando dormentes nas linhas de trem, e nas férias eu vivia passeando por várias cidades do interior, acompanhando seu trabalho. Enquanto ele fixava o trilho, eu ficava por perto, brincando. Era um tempo tão bom”, recorda.

Anos depois a família se mudou para São Paulo e Maria, a terceira entre quatorze filhos, precisou ajudar financeiramente seus pais. “Com 12 anos comecei a trabalhar na fábrica da Nadir Figueiredo, fazendo as estamparias dos vidros e das louças. Eu mexia com máquinas quentes, para fixar os desenhos nas peças. A função oferecia riscos e eu, mesmo criança, precisava ser cuidadosa”. Quando completou 18 anos, passou no concurso do Hospital das Clínicas e tornou-se atendente de enfermagem. “Eu adorava a minha independência e meu trabalho. E olha que naquela época não era comum mulher trabalhar fora, não”, conta, orgulhosa.

Mas quando ela se casou, aos 23 anos, sua vida se transformou. “Meu marido não me deixava trabalhar e tive que pedir demissão. Foi uma mudança muito grande na minha rotina, e não foi fácil”. Mas Maria seguiu em frente. Teve três filhos, e se dedicou com carinho e atenção à criação deles.

Filhos crescidos, encarou mais uma grande mudança ao se separar do marido. “Na vida a gente se acostuma com tudo. Com as coisas ruins e com as coisas boas”, ensina. E se por um lado ela ficou sozinha, por outro recuperou a independência perdida. Hoje, Maria vive em seu apartamento, e é dona de sua vida. Bem disposta, ela tem uma rotina animada. Pela manhã faz todo o serviço da casa para depois aproveitar o tempo livre com suas atividades preferidas, como bordar ou fazer seus tapetes. Quando as linhas e barbantes acabam, ela mesma vai fazer suas compras na Rua 25 de Março. O que não falta para ela é disposição. Faz aulas de ginástica, e sempre que pode, troca o ônibus por uma boa caminhada. Vai a pé ao banco e à aula de artesanato — Maria participa do projeto Itaú Viver Mais no Continental Shopping, em Osasco. “Quero aproveitar a vida. Quem fica parado é poste”, brinca.

Mas na sexta-feira ela nunca sai de casa. Afinal, este é o dia de preparar um jantar caprichado, bem gostoso, e reunir a família ao redor da mesa. “Quando meus netos trazem os amiguinhos, são mais de 14 pessoas”, conta Maria, orgulhosa e feliz com sua vida!

O Itaú Viver Mais acredita que fazer atividades físicas e culturais podem transformar a vida das pessoas, por isso investe em ações voltadas para ginásticas, caminhadas, artesanato entre outras. Quer participar? Acesse: facebook.com/itauvivermais ou itau.com.br/vivermais

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.