“A pior coisa da vida é não saber o que se passa na mente e no coração do outro. Sabe? Eu fico me remoendo só pra saber o que você pensa. Eu tenho muitas inseguranças, muitos medos e muito sentimento. Tem sentimento demais aqui, sabe? Cada dia tá crescendo mais. Já sinto sua falta quando você demora a aparecer. Já sinto medo de você ter encontrado um sorriso mais bonito que o meu. Já sinto medo de o nosso nós se desfazer antes mesmo de se firmar. Eu sou assim. E eu te avisei. Mas você insistiu em ficar. E ficou. Mas por que eu te sinto inseguro também? Não me ignora assim, não moço. Eu sinto aqui. Sinto muito. Meu corpo todo está implorando por você. E você não me deixa entender o que se passa em ti. Você disse que se eu quiser, tu vem. Mas me diz, tu quer? Tu quer vir? Tu quer continuar aqui? Tu quer mesmo ser parte de mim? Eu sei que também não sou fácil. Que te deixo sem saber das coisas, mas isso é só culpa da armadura que criei, só pra me proteger da vida. Já me falaram que eu preciso viver mais, me permitir mais. E eu estou realmente tentando ser mais livre. Eu deixei você entrar aqui, no meu mundo. Eu deixei você mexer no meu cabelo, arrepiar meu pescoço, beijar meus lábios. Eu deixei você me desarmar. Eu estou me desarmando por você. E espero que você perceba isso, sabe? Porque não quero amar sozinha de novo. Isso não dá mais pra mim. E eu realmente me deixei acreditar que isso é real, que teu sentimento é real e que eu também posso sentir isso por você. Que esse sentimento é recíproco. Então não me deixa aqui sozinha, não. Por favor. Tenha paciência comigo. É só medo de amar sozinha. Então só me diz que eu não vou amar sozinha dessa vez. Só me diz isso e tudo vai ficar bem.”

V.

07/10/2016

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.