“Como eu já te disse, isso é novo pra mim. Você, suas brincadeiras, seu sorriso, sua voz, seu abraço, seu cheiro… Tudo é novo pra mim. Tudo em você me deixa intrigada porque não posso dizer que te conheço direito, ainda. São só 3 semanas, muitas mensagens trocadas e alguns abraços rápidos – com desejo de quero mais – nos corredores da Universidade em meio à correria de nossas vidas. E como eu quero mais, menino. Eu quero tanto ser parte de você e te deixar ser parte de mim. São só 3 semanas e meu corpo, minha boca, minha alma e minha língua se seguram desesperadamente para que eu não solte o que está entalado no meu coração. Esse sentimento tão forte, avassalador e destemido que teima em sair pela minha boca, pelas minhas mãos e pelo meu sorriso bobo ao falar com você. Como você fez isso comigo? Como você surgiu assim, do nada e se alojou nos meus pensamentos? Você nem sequer pediu licença pra entrar na minha vida. Você só veio e ficou. E tá ficando. E eu estou amando isso. Mas entenda uma coisa: eu sou assim. Mimada, dramática, ciumenta, chorona, chata e complicada. Sim, eu sou esse clichê ambulante cheio de controvérsias. E eu não sei se você realmente está preparado pra tamanha bagagem. Eu tenho demais pra te contar, pra te dar, pra compartilhar com você. E eu tenho medo, ah como eu tenho medo! Medo de você desistir na primeira briga. Medo de você desistir após passar uma hora ao meu lado. Medo de você encontrar alguém melhor. Medo de te perder mesmo antes de te ter. Como você fez isso comigo? Como teve a ousadia de implantar esse sentimento tão lindo dentro de mim?

Não sei como você fez tudo isso. Não sei se você vai continuar aqui depois de iniciar essa bagunça. Depois de conhecer a minha própria bagunça. Mas, menino, eu quero tanto que tu fique aqui. Que tu seja meu e me queira sua. Hoje, amanhã e todo dia mais.”

V.

06/10/2016

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.