O amor real.

“Já escrevi tantas cartas antes. Já julguei estar apaixonada tantas vezes. Já amei tanto sozinha na vida. Que realmente não sei como agir com isso que você me trouxe. Esse sentimento novo, essa mistura de emoções e sensações. Tu colocou um baita sorriso no meu rosto, menino. Tu me acalma com teu abraço de urso. Tu é lindo, por dentro e por fora. Mas sabe, eu preciso ir com calma. Muita calma. Porque tem algo nisso tudo que me assusta demais: tu é real.

E eu realmente não estava acostumada a ter um amor real, recíproco, verdadeiro. Você é tão real que senti dificuldade em expor isso nesse texto. Demorei dias pra começar a escrever algo pra ti. Você é real e isso me assusta ao mesmo tempo que me deixa muito feliz. Você tá me fazendo feliz. Você tá me ensinando que nem sempre o amor é à primeira vista. Que eu não precisava me interessar por você no primeiro dia que nos vimos. Que te conhecer cada dia um pouquinho mais é encantador. Que me deixar ser conhecida por você é adorável. Você está disposto a ser parte da minha vida e está conseguindo isso aos poucos. Você também está disposto a me deixar fazer parte da sua vida e isso é tão lindo.

Você é lindo. A sua alma é linda. E isso tudo me deixa… Eu não sei qual a palavra certa a usar. Eu só sei que você está conseguindo me desarmar aos poucos. Sei que não está sendo fácil, e não sei se você vai ter tanta paciência pra isso. Mas olha, eu quero que você tenha. Eu quero que você fique aqui, comigo. De verdade. Quero que você continue a ser real pra mim. Porque descobrir que o amor existe está sendo a sensação mais linda que já senti. E você me trouxe isso. Obrigada, Owen.

De sua Arizona.”

V.

02/10/2016.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.