Meu monstro timidez e eu.

Bom, por onde começar? Nunca sei como realmente começar a escrever um texto, sempre tenho problemas para organizar as palavras, mas vamos lá…

Primeiramente (#foratemer) já vou dizendo que sou tímida, sempre fui e acho que sempre vou ser. Começando minha história do começo quando era pequena, quando a gente começa a entender as coisas em nossa volta, eu me lembro de sempre reprimir o que sentia ou dizia ou fazia, por sempre ter um comentário vindo logo a seguir do tipo: “iih, ela fez isso!”, “credo menina”, “não faz isso!”, “hahahah olha só o que ela falou”, e etc.. de amigas, família, estranhos, qualquer um. Ok, eu não sei, mas suponho que todas as pessoas passam por isso, não é? Agora, o porque eu ligava tanto pra esses comentários, ao ponto de me reprimir em tudo que fazia?

Uma resposta é clara, para não escutar mais esses comentários, por que eu não gostava deles. Mas mesmo assim, por que? Bom, as coisas que eu fazia, ou falava, em alguns momentos, vinha seguidos dos comentários, então eu raciocinava que o que eu fazia ou falava, era errado. E o porque essa obrigação de ser tão perfeita desde criança, eu me pergunto a mim mesma? Não sei.

Partindo para a minha pré-adolescência, não querendo me vitimar, mas me lembro de ninguém me ajudar com a minha timidez, ninguém ia até mim e falava: “Olha você é muito tímida, você talvez precise de ajuda”, “Você já pensou em acabar com essa timidez com algum exercício?”, “Você quer ajuda?”. Se alguém que me conheça, algum dia ler isso, e pensar “nossa, eu ajudei ela, como ela não lembra?”, me desculpe! mas eu realmente não lembro de alguém me ajudando, acho que me lembraria.

Por isso, não culpo meus pais, acho que eles nem sabiam o que fazer, meu pai nunca foi de ligar pra essas coisas, pra ele tudo que você falar é frescura, e minha mãe, guerreira e forte como nunca vi, mas sem muito conhecimento sobre as coisas. Não culpo ninguém por eu ser tímida.

Mas voltando, nunca recebi nenhum tipo de ajuda e também não sabia o que fazer, onde procurar por essa ajuda, sem contar que eu era tão tímida, ao ponto de dizer que não era tímida e que estava tudo muito bem. Era tão tímida, que não saia voz direito quando eu respondia meu nome. Sempre achava que tudo que eu fazia ou ia fazer, estava errado, tudo o que eu pensava era errado, se eu ousasse pensar em dizer algo, vinha outra voz dentro de mim dizer : “Querida, não abra sua boca, você vai estar errada e vão rir de você”. Eu tinha (opa, ainda tenho) um monstro dentro de mim, que me impedia de dizer as coisas que eu queria, de fazer as coisas que eu queria, por medo do que as pessoas iam dizer ou pensar de mim, um monstro que enchia meu corpo e alma de vergonha, um monstro chamado timidez.

E sempre sendo assim, odiava a atenção pra mim. Meus pensamentos era do tipo: “não vou me mexer de mais, senão as pessoas vão olhar pra mim”, “não vou falar nada, e se eu estiver errada?”, “e se rirem de mim?”, era assim, minha adolescência inteira. Acordava, colocava um “saco” na minha cabeça (o que chamava mais a atenção) e seguia minha vida.

Sem contar, as “amigas” que sempre tentavam em deixar mais pra baixos todos os dias, e conseguia! Por que fulana era melhor nisso e naquilo e você é nada, Vivian. E você também é feia, por que você não tem peitos, por que você não tem cabelo liso e também não é loira dos olhos claros. Olha, claro que diretamente elas não falavam isso, mas olhando pro passado agora, me lembro de quanta competição boba essas meninas passaram. E eu sempre pra trás, sempre sendo a última, a menina tímida e feia.

Se eu ligava pra tudo isso? É engraçado dizer isso, mas metade de mim sim e outra metade de mim não, ficava chateada por as vezes não poder compartilhar as mesmas coisas que certas garotas, mas quando conseguia, eu não me sentia bem, não me sentia confortável andando com aquelas meninas, falando sobre o que elas falavam. Entende? Era difícil. E se eu entendesse tudo que eu entendo agora, seria tão mais fácil, mas é a vida! rs.

E ai você me pergunta, mas o que essa última parte tem a ver com a sua timidez? TUDO! Eu sendo tímida, não tinha minha própria voz, e andando com elas talvez teria alguma, e o que eu queria era ser aceita. E o que fazemos pra ser aceita quando somos adolescentes? TUDO! kkkk, pois é. 
Mas igual eu disse, não me sentia bem…

Agora, começa uma época que muda minha vida, quando eu estou com os meus 13 anos eu assisti um filme, e eu me senti diferente, adorei tudo aquilo que estava vendo, comecei a procurar sobre o filme, os atores, por trás das câmeras e etc. E descobri que queria ser atriz. “Mas eu? Atriz? Com toda essa timidez? Eu não vou conseguir”. Olha meu monstro me atrapalhando de novo! E laiaaa!

Nota: Uma coisa que eu aprendi muito nova também e eu me orgulho disso, é que não devemos falar sobre nossos planos, sonhos e vontades para os outros assim, sabe? Falar por falar, saindo falando. Temos que guardar numa caixinha, deixar saber apenas as pessoas que são importantes na sua vida e querem o nosso bem.

Pois bem, pensando assim eu guardei, depois de um tempo, disse pra minha mãe, sempre contei tudo pra ela, é definitivamente minha melhor amiga do MUNDO. E ela meio que conversou comigo, me perguntou se tinha certeza e tudo mais, disse daquele jeitinho dela, que eu não ia gostar. Mas eu insisti. Como ela não tinha dinheiro pra pagar nenhum super escola de teatro, fiz um cursinho básico de graça na minha cidade (nessa época já estava com 15 anos), era todos os sábados, por semestre e depois apresentávamos. Bom, eu fui fazendo o curso, e sendo muito tímida, ficava com muita vergonha de fazer certos exercícios, então não me jogava por inteira nas aulas. O que era ruim. Então, mãe sendo mãe, estava certa mais uma vez, eu não gostei. Eu odiei e vi que não era pra mim.

Desistindo do teatro, foi passando os anos, acabei o ensino médio, e tinha que escolher uma faculdade né, e nada me parecia legal, não queria fazer nada. Aliás, queria fazer teatro… o pensamento de fazer teatro era eu pensando “quero fazer, vou ir atrás!” e meu monstro me enchendo o saco dizendo “esquece isso, não vai dar certo, você é tímida demais.”

Que droga! Eu quero ser atriz! Me deixa!

Monstro: 18 anos! Parabéns, agora você é eternamente responsável pelas burradas que fazes! O que quer fazer? 
Eu: Teatro.
Monstro: Mas você não vai conseguir!
Eu: É talvez, mas é o que quero fazer.

Procurando escolas de teatro na internet, acho uma tal de Fundação das Artes, em são caetano do sul. Não é muito longe. Mas deve ser cara, minha mãe não vai pagar. Preciso de um emprego.

Agora imagina, uma menina tímida, 18 anos, trabalhando de atendente de bilheteria no Cinemark, e estudando teatro numa escola renomada de artes? Imaginou? Pois é, era euzinha! Medo, ansiedade, felicidade estavam me definindo no momento que comecei tudo isso, era tudo tão diferente, nunca me imaginei trabalhando, nunca me imaginei fazendo teatro! Ufaa. Amadureci de uma hora pra outra, eu estava tão orgulhosa de mim mesma.

Mas você acha que acabou, e que está tudo bem? Meu monstro partiu pra outra e eu estava livre? Jamé! Meu monstro ainda estava lá, e ele não iria embora, e nem vai.

Para quem estiver lendo isso e entender, minha escola é por semestres, ele tem 7 semestres, chamamos de P1,P2, P3, P4,P5,P6 e P7. Quando eu tinha 18 anos, estava em Agosto de 2012, foi quando eu entrei pra essas escola que chamamos de FASCS (Fundação das Artes de São Caetano do Sul). Eu fiz o P1, repiti… fiz de novo e passei! uhuul. Fiz o P2, e repiti… “cara*%$@! eu não sirvo pro teatro, vou desistir” OLHA MEU MONSTRO ATRAPALHANDO MAIS UMA VEZ! Mas dessa vez, tinha pessoas nesse lugar, prontas pra me ajudar, e que me ajudaram emfim! Disseram coisa legais, e me ajudaram a não desistir! Foi nesse momento que entrei numa conversa bem séria com esse montro!

Eu: Mano, você tá me fudendo, eu entrei nisso e não sou de desistir, você me conhece.
Monstro: Mas você cair de cara no chão, as pessoas vão falar de você, vão rir e tudo mais!
Eu: Ok, Monstro, eu sei que isso pode acontecer mesmo, mas eu quero fazer isso, quero pelo menos tentar, se eu vou ser uma atriz no futuro ou não, eu já entrei nessa escola, eu estou aqui e você também, então eu vou continuar até o fim. E você vai ter que aceitar.

Eita monstrinho difícil viu? Se eu consegui fazer ele mudar de ideia? Consegui sim! Ele não é tão malvado quanto antes, mas acho que aprendemos a conversar, eu entendo o lado dele e ele entende o meu. Não somos mais inimigos, fizemos as pazes, e concordamos em muitas agora, e assim vamos seguindo, sempre pra frente.

E depois dessa conversa com meu monstro, ele maneirando na brigas também, consegui me focar no que queria e seguir em frente nos próximos semestres de teatro, fiz o P2 de novo, P3, P4, P5, P6 com muita luta, por que as vezes o monstro estava de mau humor, mas no fim dava tudo certo. E agora estou no P7, o glorioso último semestre. A FORMATURA.

Pois é, a menina tímida, está se formando, e se formando em TEATRO!

Além de me formar em teatro, aprendi MUITAS coisas, me descobri, conheci pessoas maravilhosas, sou amiga do meu monstro, e o mais importante, aprendi a me amar do jeito que sou e tentar sempre ser o máximo possível, feliz. Por que dias ruins, faz parte.

Nota2: Dizem que o teatro é ótimo para acabar com a timidez. Mentira. você só aprende a lidar com ela, e não é necessário o teatro pra isso, ele só te ajuda para que isso aconteça.

Então pra terminar minha história gigantesca, rs. Sim, eu ainda sou tímida, eu nunca vou mudar, as pessoas sempre vão falar: !nossa, você faz teatro, mas você parecer ser tão tímida”.

E eu vou responder: “Eu sou tímida.”