Filho do meio

Entra ano, sai ano, Verão mantém a tradição de filho prematuro, nascido aos sete meses. Sempre vem atropelando a irmã mais velha, Primavera, e força a barra para dividir dois meses com ela. Compreensiva e fofa, ela acaba cedendo vez por outra. Cercado de cuidados ao nascer, Verão ficou mal-acostumado e é espaçoso. Vive às turras com Outono, que não dá mole, e quase sempre passa um mês inteiro brigando com o irmão.

O pai queria chamá-lo de Vero, mas a mãe sentiu que ele precisava de algo grandioso. O aumentativo foi a solução. A mãe estava certa. Desde pequeno, Verão mostrou que era um sagitariano típico no quesito exagero. Quando chorava, a família inteira ficava desesperada. Era água que não acabava mais, alagava tudo e estragava os móveis. Com ele, até hoje, não tem meio termo.

Um dia, conheceu Sol, enorme e brilhoso. Verão pensou: “Preciso ser amigo desse cara, tudo gira ao redor dele. Deve ser influente!”. Hoje, os dois são inseparáveis, como irmãos. A amizade gera ciúmes em Inverno, Outono e Primavera, que têm uma relação conflituosa com o “Amarelinho”, como eles chamam. Cada um a seu jeito, os três evitam dar muito espaço para Sol.

De todos os irmãos, Verão é o que acorda mais cedo e dorme menos. Inquieto, adora pregar peças. Usa sua amizade com Sol para rir dos terráqueos. Juntos, fazem escorrer gotas de suor em partes inimagináveis dos corpos deles, provocam bolhas em pés inchados e sopram um bafo quente que, dizem, nem o Diabo aguenta. As brincadeiras, sempre com um teor sádico, acabam rendendo alguns esporros e pequenos castigos.

Verão é carismático e do tipo que desperta opiniões extremas. Principalmente entre seus favoritos, os terráqueos. Ele acha graça dessa mania de rotular que existe na Terra. Quem gosta ama, quem não gosta odeia. Todos opinam e argumentam muito. De um lado, os que contam os dias para ir à praia, bronzear a pele e beber umas cervejinhas. Do outro, os que praguejam contra a luminosidade excessiva, o calor desconfortável e o clima pegajoso.

Verão observa tudo de longe e pensa: “O que será deles no dia em que Neve, finalmente, aceitar ser minha amiga no Facebook?”.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Viviane da Costa’s story.