33 dias

Faz pouquinho mais de um mês que a gente se conhece. Quanta coisa pode acontecer em um mês, né? A gente se conheceu da forma mais despretensiosa possível. A gente conversou, conversou, conversou. A gente riu. A gente virou Owen e Arizona.

E a gente foi indo. Depois de três semanas, nosso primeiro encontro. A primeira vez que pudemos conversar sobre nossas vidas olhando um no olho do outro. A primeira vez que você segurou minha mão. A primeira vez – naquele dia 06 – que seus lábios beijaram os meus. A primeira vez que senti frio na barriga perto de você. A primeira vez que meu sorriso frouxo por você surgiu.

Trinta e três dias depois e nós estamos aqui. Trinta e três dias depois do nosso primeiro abraço na biblioteca. Trinta e três dias depois nós conversamos sobre namoro hoje. Sobre a ideia de sermos nós dois para o mundo. Você me perguntou se eu estava preparada. E eu não soube te responder porque simplesmente não sei. É, amor, eu não sei se estou preparada para isso. Eu só sei que eu quero! Eu quero muito ser sua namorada. Eu quero muito ser sua menina. Eu quero muito conhecer seus pais e sua família enorme. Eu quero muito conhecer seus amigos. Eu quero muito que você conheça os meus amigos. Eu quero muito você aqui, comigo. Quero teus beijos, teus abraços, teu calor, teu cheiro, teu sorriso… Eu quero muito tudo isso. Eu quero o depois, eu quero mais. Eu quero a vida com você. Quero comemorar tuas conquistas como fizemos hoje. Quero comemorar minhas conquistas com você. É, eu quero tanto tudo isso com você. Então, sim. Se isso significar ser sua namorada, sim. Eu estou preparada. Estou preparada pra te fazer muito feliz. Pra ser mais feliz ainda com você aqui.

Trinta e três dias depois, eu te digo sim. Sim para nós dois. E também ouço teu sim. Acompanhado das batidas aceleradas do teu coração, do teu sorriso bobo, das tuas mãos em minha cintura, dos seus lábios sobre os meus.

Um mês pode ser pouco tempo pra muita coisa. Mas quando se trata do amor. Quando se trata de amar, quem é que conta os dias? A gente conta a vida. A gente conta o dia a dia. A gente conta os sorrisos, as histórias, os beijos e os abraços. A gente conta o que ele é mesmo. A gente conta o amor e ele nos basta.