Como a internet nos deixou mentalmente preguiçosos

Estava eu ​​na internet quando me deparei com uma publicação sobre o Quintandinha Bar, li o texto e cai no “desabafo” da jovem queixosa e acabei compartilhando em um impulso emocional.

Conversando com um amigo percebi que não me dei ao trabalho de checar se a história era verdadeira, tomei o que a moça disse como verdade absoluta e fui mais uma das milhares a se posicionar a favor dela sem ao menos tentar entender mais profundamente o que havia acontecido.

Não estou aqui para debater o mérito da questão. Me incomoda o fato de que eu formada em jornalismo, heavy user de internet e trabalhando no meio publicitário simplesmente não tive o crivo de checar os dois lados da moeda.

E me incomoda mais ainda o fato de que esse não é um problema somente meu.

Certa vez li uma chamada que dizia "Pesquisar no Google faz as pessoas se sentirem mais inteligentes", mas isso não comprova que a pessoa tenha conhecimento de fato sobre o assunto.

O "Google Effect" (Ou Efeito Google) esta cada vez mais comum, pesquisas inclusive já mostram que o acesso ilimitado à informação faz com que nossos cérebros retenham cada vez menos dados. Ficamos preguiçosos. Em algum lugar dentro da nossa cabeça está o pensamento "eu não preciso memorizar isso, é só pesquisar no Google quando eu precisar".

As redes sociais se transformaram em uma espécie de vaso sanitário onde as pessoas vomitam suas opiniões muitas vezes sem refletir sobre o assunto.

O que percebo é uma tendência das pessoas juntarem várias informações compatíveis com seus pensamentos, dessa forma elas acabam reproduzindo conteúdos e ideias sem análise alguma sobre o motivo pelo qual concordam ou não com eles.

Acho, inclusive, que esse é um dos motivos de tanta desavença nas redes sociais, o receptor não entende a motivação do outro em torno do conteúdo que está sendo replicado.

Por isso quero deixar a seguinte reflexão: O que você compartilha nas suas redes sociais traduz bem sua linha de pensamento?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.