Mãos Dadas

Segura na minha mão e vem. Não me pergunte o que vem pela frente, que ainda não sei lhe dizer, mas te garanto que medo eu não tenho. Segura na minha mão e me acompanha.

Neste sonho gostoso que sonhamos juntos, onde nossos olhos se cruzam e temos certeza. Nenhuma específica, só aquela certeza de que tudo faz sentido.

Segura na minha mão e vamos em silêncio, curtindo a companhia um do outro pela estrada. Na praia até o sol se pôr, no campo até o orvalho se formar, no trânsito da cidade grande, não solta dela não.

Acontece que há muito ando sozinha por aí e da solidão eu já me cansei. Desiste não, sei que tem dia que cansa. Que dá vontade de largar tudo e rumar sozinho, mas vou te contar um segredo: acompanhado o caminho fica muito mais doce.

Até mesmo quando a gente não vê a bendita calçada e tropeça na frente de todo mundo (e olha que disso eu entendo!), sozinha é só mais um mico, mas junto de você será uma daquelas histórias que contaremos lá na frente, para quem quiser ouvir.

Então vem, segura na minha mão e não solta mais, segura firme, apertado, até nossos dedos doerem e ficarem dormentes, segura com todo seu amor para eu me sentir segura mais uma vez. Segura na minha mão e em troca eu te darei meu coração.

Escrevo aqui sobre tudo que vi, ouvi, falei e vivi. São pequenos recortes da realidade (minha e dos outros), com pitadas de imaginação e ficção. Espero que gostem!

Foto: Seth Doyle, no unsplash

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Vivian Fróes’s story.