Nós

Não pedirei. Não pedirei que abandone tudo que conquistou até aqui. Não insistirei, nem espernearei. Jamais direi: sua vida ou eu. Acontece que eu já desatei todos os meus nós e, apesar de ver o brilho dos seus olhos e me perder na profundidade deles, vejo meu reflexo na escuridão de suas pupilas dilatadas e me lembro: preciso prosseguir.

Na minha caminhada não pedirei mais nada para mais ninguém, nada que me faça ficar, por necessidade ou gratidão, não insistirei pelas paixões frívolas, não espernearei pelos amores singelos. Não pedirei para que me vejam, me enxerguem, me sintam.

Sairei pela porta no meio da madrugada, sem deixar nome ou rastro, porque eu já desatei todos os meus nós e nada me prende aqui. E, quando acordar sentindo o vazio no meu lado da cama, não me odeie. Acontece que me senti no direito de partir sem te ouvir pedir para que eu ficasse.

Não insista e não esperneie, eu já fui sua tempo demais e agora é hora ser apenas minha. Porque já não existem mais nós em nós.

Escrevo aqui sobre tudo que vi, ouvi, falei e vivi. São pequenos recortes da realidade (minha e dos outros), com pitadas de imaginação e ficção. Espero que gostem!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.