me peguei pensando em alguém que eu amo muito e que já não falo há muito tempo. e até meia hora atrás eu não tinha percebido, mas não falo porque algo tem me bloqueado. era alguém que me abraçava por minutos ao me ver, e poderiam ser horas, nunca ficaria estranho, era uma demora apropriada. que quando conversávamos, parecíamos falar com nós mesmos, tamanho era o entendimento. alguém, que um olhar dizia tudo e que arrancar um sorriso era o mundo. então era uma vez e eu estive mal, tão mal quanto se é possível estar. e esse alguém esteve ali. esteve ali com suas palavras.

as. palavras. mais. erradas. que. poderiam. existir.

não importa se era o que pensava, nem se eram verdade, não era o momento. faltou empatia, faltou cuidado. machucou. machucou de tal forma que nunca mais curou. nunca mais mesmo, porque 5 anos depois ainda estou aqui, ferida. o que eu vivia no momento passou, mas o que ouvi criou outros traumas que carrego até hoje e que não sei se vão passar.

afetou nossa relação e minha forma de me relacionar com todas as outras pessoas. me travou de um jeito que meu instinto é guardar pra mim tudo de ruim que me acontece. eu morro de medo de ouvir as palavras erradas de novo e me decepcionar tanto assim.

então, se tem alguém lendo isso, eu só queria dizer pra você tomar cuidado. cuidado com o que você fala para as pessoas que te amam, você tem o poder de curar e de machucar só com as suas palavras. use bem seu superpoder. e se você conhece alguém passando por uma situação de crise, seja gentil ao confortar. se necessário guarde toda sua gentileza para esses momentos. grite no trânsito, exploda ao quebrar um copo, mande william bonner pra porra quando ele te der boa noite, mas não se esqueça de ser gentil ao confortar.