O "kora" do Monte Kailash e o Brasil

Monte Kailash, Tibete

No final de 2006, fiz uma viagem de mochila pela Ásia. Foram quatro meses visitando diversos países e culturas em uma experiência inesquecível. O ponto alto da viagem foi a visita ao Monte Kailash, no Tibete, perto da fronteira tríplice com a Índia e o Nepal. O Monte Kailash é uma montanha sagrada para os hindus e budistas. Ele chama a atenção por ter uma forma quase perfeita de pirâmide e é considerado o “centro do universo” para os budistas e a “morada de Shiva” para os hindus. Nunca foi escalado, por respeito ao que ele representa. Como forma de reverência à montanha, os visitantes andam em sua volta, o que para os budistas é chamado de kora. Dizem que três koras são suficientes para acabar com os karmas de algumas vidas, enquanto 108 delas fazem com que a pessoa se ilumine. Não cheguei a tanto. Uma volta, de 52 km, já me pareceu suficiente, com suas nove horas diárias de caminhada por três dias, a uma altitude média de 4.800 metros e dez graus negativos de temperatura. Ao final de cada dia, parávamos para comer (pouco) e dormir (mal) em um dos monastérios que ficam ao redor da montanha sagrada. A viagem completa dura cerca de 15 dias, contando o tempo para chegar até a região a partir de Lhasa, a capital do Tibete.

O momento mais desafiador da travessia acontece no segundo dia. Em um determinado momento, ainda pela manhã, temos uma subida muito forte: de cerca de 5.000 metros para 5.600 metros de altitude em um espaço relativamente curto de tempo. Ou seja, uma verdadeira pirambeira, com metade do oxigênio disponível ao nível do mar. A cada cinco passos eu precisava parar para respirar e retomar o fôlego. Como se não fosse o suficiente, após essa subida, ainda tínhamos cerca de 6 horas a mais de caminhada adiante. Foi muito difícil para mim. Na tarde desse dia eu estava esgotado. Por muitos momentos pensei em desistir. A cada “esquina”, eu dizia para mim que, se não avistássemos o monastério naquele momento, iria parar e desistir. Acontece que, de fato, essa não era um alternativa nem um pouco viável. Durante a noite, a temperatura pode cair a menos 40 graus e ficar ao relento significaria morrer congelado. O jeito era tirar forças de onde era possível e impossível para chegar até o final da caminhada. Aos trancos e barrancos, consegui chegar ao monastério. Naquela noite, exausto, saí do quarto em um certo momento e olhei para o alto. O céu que vi foi o mais bonito da minha vida. Estrelas com uma nitidez e em uma quantidade tais que foi impossível não derramar lágrimas. E, no final dos três dias, a satisfação e a força que senti foram poucas vezes igualadas em outros momentos.

Lendo os noticiários, sofrendo com os efeitos da atual crise brasileira e, principalmente, ouvindo muitas pessoas pensando em desistir e em sair do Brasil, essa lembrança me veio à mente. Sinto que, nos âmbitos econômico e político, o Brasil está passando pelo segundo dia a tarde do kora do Kailash. Parece que não temos saída. Parece que não vale mais a pena apostar no país e, muitas vezes, temos vontade de sentar e desistir. Acontece que é exatamente nesse momento que precisamos aumentar o nosso comprometimento e esforço. A outra opção é sentar e esperar para congelar durante a noite. A única certeza é de que vai haver um amanhã e agora é a hora de decidir que tipo de amanhã queremos viver. Um futuro em que entregamos o país para essa força negativa que está construindo uma realidade triste ou um outro futuro em que os frutos dos nossos esforços e nossos investimentos em um mundo melhor começam a florescer e a fazer a diferença. Ao meu ver, não é hora de sermos vitimas das circunstâncias ou dos atos e escolhas de outros. É hora, sim, de tomar nosso futuro nas mãos e colocar nosso tempo e nosso dinheiro em realidades desejáveis e possíveis.

Um Brasil melhor não vai se materializar do nada. Tampouco algum efeito positivo vai vir de confrontar e reclamar. Isso é necessário, sim, mas não suficiente. É hora de arregaçar as mangas e aceitar nosso papel no grande esquema das coisas. Levantar, mesmo desanimado e cansado, para seguir caminhando, com a certeza de que fizemos o que estava ao nosso alcance e começar a materializar um melhor futuro para nossos filhos e netos. Não acho que vai ser fácil, mas não consigo enxergar nenhuma opção melhor do que essa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.