buraco negro

(ou seja lá o que for)

Tem dias que puft. eu sumo. eu me perco. eu me engano. eu me saboto. eu me deixo.

Tem dias que meu peito vira um buraco negro, tudo entra e nada sai. Tem dias que esse buraco negro dá um reverse e tudo que tava lá guardadinho, mesmo não sendo tão bom, sai pra fora. Vira um lixão, de tanta bagunça. Daí eu choro e nem sei porquê estou chorando. Lembro do coisa boa, de coisa ruim, de momento de raiva, de gente que não foi real, de gente que não foi sincera. E fica esse lixão, tudo fede, tudo me faz chorar e tudo me deixa sem ar. É tanta coisa que sai ao mesmo tempo e eu fico sem porquê. Não adianta perguntar qual é a do meu choro, porque eu não sei. Meu buraco negro entra num reverse e tudo que tava guardado sai pra fora na forma de uma bagunça inenarrável.

Mas quero dizer que tá tudo bem. Tá tudo bem engolir tudo e deixar tudo escapar depois (mesmo que isso renda nariz entupido e olhos vermelhos e inchados). Só deixa ser o que tiver de ser. Nem todo mundo sabe o que se passa por dentro, nem todo mundo sabe por nome no que tá rolando nas lágrimas… tá tudo bem. No final das contas, tá todo mundo meio que numa pior.

Só aceita que nós somos um buraco negro, que a gente engole e guarda muita coisa… uma hora tem que por pra fora. E tudo bem. Deixa sair.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated tory’s story.