É só um registro de compreensão, não mais grito e muito menos explosão

Te esperam forte, te esperam fortaleza, te esperam coragem e desdobramentos

Te apontam frágil, te apontam menos, des-apontamentos

Nem sempre forte, nem sempre frágil, nem sempre fortaleza: nem sempre nada

Nasci ser XX, ovários, útero, vulva, vagina, clitóris

Resistência e força caminham de mãos dadas com seres que assim foram gerados

Nasci lésbica, amando, desejando, existindo

Resistência e força são ingredientes necessários para continuar existindo

Mas as vezes me sinto frágil, me sinto pequena, me recomponho e reestabilizo enquanto resisto e empurro de volta o que não me cabe, o que não me pertence

“Vista-se, cubra-se, cuide dos demais. Carregue com você o que esperamos de uma mulher”

“Faça mais, seja mais, você faz menos, você me desaponta, porque você não me satisfaz?”

De um lado monocromático para o outro te veêm mulher, te leêm homem: esperam ambos, possuem todas as armas de cobrança e nenhuma tentativa de compreensão

Ser combativo, ser pensante, ser irregular e livre, ser sensível, simplesmente ser

Simplesmente ser pessoa, falhar e tentar; falhar e tudo bem; falhar e desistir; falhar e mudar

Ser subjetiva e inconstante, como a vida, como tudo

Ser aquilo que você é, como você é. Poder estar aberta confiando que do outro não vem só a cobrança e a correção

Também não ser o outro nessa relação

Ser simples

Só ser

E é o que deve ser, só um breve registro de autocompreensão

Like what you read? Give Tamara Alves a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.