O texto que gostaria de escrever

Talvez eu não consiga, mas gostaria de escrever um texto sobre o ódio ao Lula e ao PT, mas não queria ser taxado como eleitor confesso e antecipado deles. Minha intenção seria analisar o Lula como opção política e a importância do Partido dos Trabalhadores para um Brasil democrático.

O desafio está no fato de que as pessoas são imersas diariamente por reportagens e matérias negativas a respeitos de ambos, intensificando-se nos últimos anos, entre matérias que abordam situações pontuais e que precisam ser mesmo tratadas, vem um número excessivo de abordagens com viés político partidário mal-intencionado, são veículos que decidiram travar uma luta política contra o PT e o Lula. Nesse ponto, como base argumentativa talvez seja interessante usar a “Indústria Cultural” do Theodor Adorno ou George Orwell com a brilhante frase: “A massa mantém a marca, a marca mantém a mídia e a mídia controla a massa”. Mas tem outro problema, as pessoas não dão crédito para as ciências humanas, normalmente não chamam um advogado para projetar uma casa, mas aceitam teorias relacionadas as humanidades de pessoas sem nenhum preparo ou leitura na área. Além disso, não podemos esquecer dos blogs e páginas de Facebook, que percebem essa onda e para obter recursos financeiros passam a se dedicar à “causa” antipetista. O mais triste é que com as redes sociais os veículos informais ganham voz, e sem o mínimo pudor e preparo, conseguem ser mais agressivos e inconsequentes que a grande mídia.


Quero deixar claro nesse texto, não é que eu ame o Lula e o PT ou odeie cegamente seus opositores, muito menos que acredite que eles não devam ser criticados, quero explicar ao leitor que existem razões lógicas para criticar o Lula e o PT e que existem também razões lógicas para ser a favor deles. E que, em especial, o Partido dos Trabalhadores é — ou deveria ser — uma ferramenta que só enriquece o campo democrático. Que deveria ser fortalecido e principalmente estar acima do Lula, mesmo que aparentemente a sua cúpula não entenda isso.

Nessa parte do texto eu falaria do Lula. É preciso ressaltar, eu odeio o capitalismo e o Estado, o rombo na Petrobrás e os tantos esquemas de corrupção deixam claro que o Estado é uma ferramenta da burguesia para manterem o capitalismo e exploração histórica do povo. Dito isso, nos moldes como as coisas estão postas, temos que admitir, Lula entendeu como o FHC organizou o presidencialismo de colisão e juntamente com a cúpula do PT e seus aliados, soube administrar isso e trazer um resultado real para o trabalhador e às camadas mais pobres. A política é suja e a democracia que estamos inseridos é indireta, mas Lula e o PT souberam manter esse sistema funcionando. A banda mais podre da política esteve sempre ali, dentro de um certo controle, a burguesia, esses grandes empresários, estavam presentes e se alimentando do poder estatal, mas em contrapartida, os trabalhadores conseguiram migalhas que antes eram improváveis. Temos os fatores externos ao governo, mas não podemos desconsiderar que o governo promoveu meios de melhorar a vida de muita gente em todas as camadas da sociedade.

É preciso possibilitar ao leitor entender que as políticas do PT não são resultado de ações socialistas, sim, essa não é uma vitória de ações em direção ao socialismo, são ações bem pontuais pensando diretamente no aumento do consumo, na melhora da qualidade de vida do trabalhador, no lucro ao empreendedor e fazem parte de políticas vinculadas a social democracia ou ao liberalismo social. O Lula nunca prometeu socialismo para ninguém, inclusive se identifica como liberal, eu entendo que seja o liberal americano, que é uma espécie de progressista. Então, analisando tudo isso, eu penso que a depender das opções, o Lula pode ser sim uma opção viável. Dentro deste contexto, nessa porcaria de sistema, ele é alguém que pode trazer uma governabilidade em que o povo sofra menos, por mais que eu não concorde diretamente com suas ações.

As razões lógicas para não se querer o Lula são muitas. Pode ser o modelo econômico, o tripartite econômico baseado em commodities que ele até já vem anunciando. Oferecer mais crédito e aumentar consumo, estratégia responsável por seu sucesso e pela sua queda. O que pode ser um erro enorme, evidenciando a ausência de autocrítica. Pode ser por que ele não conseguiu ser eficaz na industrialização nacional, que somado à abertura de mercado para a China prejudicou muito a produção nacional. Pode ser também por você estar mais à esquerda, o Lula não vai colocar o Brasil no rumo da revolução, ou por ser mais à direita, e desejar um Estado com menos interferência, ao meu ver dois cenários ilusórios para este momento. A revolução não existe sem um povo consciente e identificado com o seu local e sua posição no sistema, para o Estado menos intervencionista, a desigualdade não nos dá condições mínimas de pensar em livre mercado, este que sejamos honestos, só existe nos PDF’s do ILISP e do Instituto Mises. O eleitor só não deve ser contra o Lula por causa do sítio ou do triplex, e que por ser dono deles, o que ainda não foi provado, só existe convicções, ele seja o agente mor da corrupção intergaláctica. Também não deve deixar de votar por ser contra a corrupção, essa não é uma justificativa, a corrupção não é exclusiva do PT, é um mal endêmico do sistema. Também não pode ser porque o filho do Lula é dono da Friboi, ou porque ele, “Lila preso” é comunista, convenhamos, já passamos dessa fase de ter medo do bicho papão e do comunismo.

Sobre o Partido dos Trabalhadores, espalhados por todo o planeta, as repúblicas de uma forma geral têm pelo menos um partido direcionado aos trabalhadores, geralmente estão posicionados à esquerda, mas podem estar na centro-esquerda, no centro, ou até mesmo na centro direita, tendo como viés a noção de políticas econômicas. Ter um partido liberal e ter um partido que de fato defenda os trabalhadores e as suas causas é fundamental para a democracia. O PT não é o inimigo, não é o time adversário, pelo contrário, é um patrimônio da democracia brasileira. Desejar o fim do partido é desejar o fim da diversidade, acredito que a cúpula do partido precisa ser mudada urgentemente, que o sistema de correntes que faz parte de sua estrutura precisa ser repensado. Entretanto, o partido foi símbolo de grandes esperanças na década de 90, tem toda uma história, a maior formação de base do país, vou ser conservador agora, não se joga o bebê junto com a água suja da bacia. Que os petistas reflitam sobre os erros e que melhorem para futuras gestões, pensar assim faz parte do republicanismo.

Enfim, tendo pensado essas questões, queria levar o leitor a refletir sobre a importância de tomar uma decisão de voto, não pensando unicamente na moral, essa é essencial, indiscutível e não deve ser carta propagandista. Com todos os nossos erros, e na situação que estamos, onde o caminho para democracia está se esvaindo e a camada mais suja da política está no comando, se faz necessário reestabelecer o caminho democrático. E mesmo não sendo o melhor, mesmo com todas as contradições, é neste caminho que poderemos discutir outros destinos. Infelizmente, ainda não achei os argumentos e não sei como escrever um texto que fale disso tudo, que consiga fazer as pessoas entenderem essas questões e como são fundamentais para os próximos anos.