Alice

Dia desses me deu vontade de escrever sobre você e quando me peguei pensando em nosso encontro, tudo que você vem me ensinando e me ensinou, a partir daí comecei a pensar sobre a vida e sobre como existem pessoas que a gente não apenas conhece, mas reencontra… Como se fosse um amor e uma ligação tão profunda que perpassa o universo e talvez vidas. Uma ligação que as vezes a gente não consegue explicar e esses encontros nos fazem perceber que existem certas coisas que não necessitam de uma explicação, só necessitam da nossa abertura e troca. Pode-se dizer que a vida é um tanto complexa e quando a gente procura explicações tão concretas e estruturadas, às vezes perdemos o verdadeiro sentir. Eu assisti uma palestra uma vez, onde a palestrante falava sobre o amor e era um tanto quanto engraçado alguém tentando explicar um sentimento, ela falava sobre relações amorosas e sobre toda sua pesquisa de mestrado e doutorado sobre o amor. Nesse momento, eu soltei um sorriso e fiquei pensando como o ser humano é inseguro e como sempre tenta arranjar fórmulas, métodos, preceitos para as coisas que ele não consegue explicar, como o amor. O amor de certa forma é complexo, psicanalistas dizem que ele e o ódio são a mesma moeda, Platão diz que o amor está ligado à ideia do desejo, amar alguém, portanto, significa desejar fortemente aquela pessoa, Lacan diz que o amor é um encontro faltoso. Eu não tenho mestrado, doutorado e ainda to terminando minha graduação, mas digo concretamente que eu sei o que é amor quando eu olho pra você. Para as pessoas que não acreditam em destino, encontro, essas coisas da vida, eu desejo que elas encontrem um presente da vida como eu encontrei. Talvez você nunca irá ler essa carta e nem precisa, porque nessa conexão que é só nossa a gente não precisa se expressar com palavras. E para quem está lendo imaginando um amor romântico, lembre-se que o amor vai bem além disso, é o amor na forma mais singela.